Um jogão de bola

Um jogão de bola

Nas margens do canal do Arruda, eu sentei e bebi. Nosso encontro por lá já virou tradição. Além de dois ou três irmãos, estão sempre presentes Paulinho, Gerrá e Felipe Camarão. Gerrá dessa vez não foi, pois tinha um compromisso familiar. Perdeu um jogão. A família vem em primeiro lugar, apesar de alguns tricolores insistirem que vem em primeiro, mas depois do Santa. O clássico com o Náutico é diferente, já disse Paulinho. Não há ânimos acirrados, violência, briga de torcidas e essas coisas todas que nos afastam dos estádios. Por via das dúvidas, fui ao jogo sem o manto sagrado. Sou pai de família, não posso mais correr riscos à toa. No jogo contra o Sport, teve torcedor tomando banho de cerveja, chuva de pedras entre torcidas e ataque ao ônibus rubro-negro. Contra o Náutico nada disso. No máximo, uma vaia quando o ônibus deles chegou. Para não dizer que foi tudo em paz, um ladrão em fuga caiu no canal, bem em frente a nós. Ficou na água um tempo até que a polícia chegasse. Se saísse antes, certamente iria levar uma tremenda surra. Como saiu depois, o risco é de pegar uma doença da idade média, pois o canal estava em seus piores dias. No campo, logo no início do jogo, uma tragédia. Um torcedor do Náutico de 32 anos caiu no fosso e teve afundamento craniano. Mais tarde morreria no hospital. Geralmente, depois de um jogo daquele, eu faria uma onda aqui no blog, mas diante da morte, encabulei. A sensação foi de tristeza, pois o fim de uma vida humana, em quaisquer circunstâncias, é algo para se lamentar. Morrer de amor fica bonito apenas na literatura. Na vida real, a morte é dolorida. Há tempos não assistia a um jogo assim. Um primeiro tempo veloz e, apesar de falhas da defesa de ambos os lados, um bom futebol. Perdi o primeiro gol do Náutico e segundo do Santa, mas não perdi o primeiro gol de Landu. Aliás, uma moça da Rua das Moças gritava depois do jogo que ia dar para ele, por causa do seu primeiro gol com a camisa coral. “Vai que é tua”, incentivei. Mas voltando ao jogo, comemorei o segundo do Vitória, como se fosse nosso. Achei que tinha perdido mais um. Só notei que tinha algo estranho, porque o jogo lá embaixo prosseguia e as duas torcidas comemoravam. Em...

Leia Mais

Preliminares de domingo

Preliminares de domingo

Texto indicado para maiores de 18 anos. Já falei por aqui que toda quarta-feira dou umas aulinhas de futebol. É na nossa pelada semanal, a qual é recheada de tricolores corais santacruzenses das bandas do Arruda. No grupo que é formado por uns vinte e cinco peladeiros, o Santa Cruz tem em torno de dezoito representantes. A barbie tem um. Depois dos gols, discussões, lapadas e reclamações, o bom é a resenha. Futebol, política e sexo fazem parte do bate-papo regado a suco, cerveja, uísque e tira-gosto. Ontem a mesa estava cheia. Cinco do Santa, dois da leoa e um barbiano. As televisões transmitiam o jogo do Náutico. – Estou torcendo pelo Bangu! – deixei claro. – Ei, Rafa! Tás torcendo por quem? – eu provoquei. – Pelo Bangu, é claro. Rafael é torcedor da coisa. Assim como eu, Rafael entende que a grande rivalidade do futebol pernambucano é entre Santa Cruz e Sport. Defendemos a tese que o Náutico não devia disputar futebol profissional, pois entendemos que futebol é coisa pra homem. – Vocês não são pernambucanos, não? Temos que torcer por Pernambuco! – politizou o alvirosa. – Quem torce por Pernambuco é Eduardo Campos! – alguém falou. Mas amigos, a prosa ficou boa quando o assunto pendeu para o lado erótico. Perguntaram a João como tinha sido o carnaval dele. A resposta veio curta e objetiva: “foi ruim, não comi ninguém”. O cidadão barbiano fez o seguinte comentário: “eu me lasquei. Brinquei o carnaval com minha namorada e a família dela”. – Então companheiro, você perdeu de comer muita buça. Eu dei um drible na mulha, fui pro Galo da Madruga sozinho. Dei duas trepadas da boa! – falou Chico. Chico é dos nossos. Torce pelo mais-querido. Coma a voz mansa, ele tem a mania de resumir algumas palavras. Buceta é buça. Mulher é mulha. Tesão é teza. E por aí vai. Na sua filosofia, ele afirma categoricamente que o mundo é movido por sexo. Quando a conversa está muito polêmica, ele usa uma frase que nos leva a reflexão. “Companheiros, o mundo se resume a duas coisas: uma rola e uma buceta!”. O garçom chega com alguns petiscos. Queijo coalho, cebola na brasa, toscana de bode e meio espeto de coração. – cebola é bom, mas dá um bafo danado! – disse o alvirrubro. – é bom pra soltar bufa! – disse João. – companheiro, cebola...

Leia Mais

Santa Cruz 2 x 0 Salgueiro

Santa Cruz 2 x 0 Salgueiro

Assista ao vídeo com os melhores momentos do jogo Santa Cruz vs. Salgueiro, no Arruda, pela 16ª rodada do campeonato pernambucano...

Leia Mais

Petrolinha 0 x 3 Santa Cruz

Petrolinha 0 x 3 Santa Cruz

Assista ao vídeo com os melhores momentos do jogo Petrolina vs. Santa Cruz, no Paulo Coelho, pela 15ª rodada do campeonato pernambucano...

Leia Mais

Santa Cruz 3 x 1 Cabense

Santa Cruz 3 x 1 Cabense

Os gols da vitória do Santa Cruz sobre a Cabense, nesta última quarta-feira, no Arruda, pela décima segunda rodada do campeonato pernambucano...

Leia Mais
10 de 37...91011...2030...