Vai começar o Campeonato Relâmpago do Futebol Pernambucano

Vai começar o Campeonato Relâmpago do Futebol Pernambucano

Pronto. Agora sim, começa o "Campeonato Relâmpago do Futebol Pernambucano", edição 2017. O Santa Cruz ficou em 4º lugar e enfrenta o 1º lugar (Salgueiro) na semifinal. Náutico x Sport se enfrentam na outra semifinal.

Leia Mais

Chantagem oficial

Chantagem oficial

André Santos Jr., Tricolor Li sem surpresas a notícia que o Governo Estadual decidiu empurrar a conta da Arena Pernambuco para os clubes. Posta em prática nesta semana, a mão pesada do Estado tornou, na minha ignóbil visão do mundo, o programa Todos Com a Nota (TCN), que possibilita a troca de notas fiscais por ingressos nos jogos dos times pernambucanos com benefícios financeiros para os clubes, em instrumento de chantagem. Um decreto obriga os três principais clubes a mandar alguns de seus jogos para o estádio privado construído com financiamento público. De pires na mão e atolado em dívidas, o Santa Cruz dificilmente terá como se defender da opressão oficial. Na situação atual, mergulhado em sucessivas más gestões administrativas e competições deficitárias, que fazem sistematicamente o clube se equilibrar na corda bamba dos atrasos de salários, a dignidade tricolor provavelmente ruirá. O Estado sabe disso e utiliza sua carteira recheada de dinheiro para viabilizar sua arena em detrimento do futebol pernambucano. Não sou um homem das leis, mas imagino que a ideia original do TCN estivesse vinculada a três pilares: (1) aumento da arrecadação; (2) contribuição ao desenvolvimento desportivo; e, principalmente, (3) a inclusão social. Não sei se há sucesso no primeiro caso, mas tenho convicção que a vinculação do programa à Arena Pernambuco para evitar que ela se torne um elefante branco e contribua para minimizar o risco de prejuízo nas finanças públicas, já que o Estado pela estranha lógica da Parceria Público Privada (PPP) garante receita mínima ao investidor, se afasta dos dois últimos. Nenhum particular suporta o peso do Estado em suas costas e o TCN ganha ares de obesidade mórbida e passa a ser usado como puro exercício da força bruta. Como cidadão, acredito que a construção da Arena Pernambuco foi um equívoco. Não havia espaço na região metropolitana de Recife para mais um estádio de futebol. Cada um dos três grandes clubes locais possui seu campo de jogo e dois deles, principalmente o Arruda, poderiam sofrer as transformações necessárias para se adequar ao exagerado padrão FIFA. Não sei o que justificou a construção de uma nova arena pelo Governo de Pernambuco, mas desconfio que na pauta das discussões não estivesse na mesa a economia de recursos, o transporte público adequado ou a localização privilegiada. Para atrair os clubes para um estádio sem atrativos, o Estado legislou em causa própria e sancionou a mundialmente conhecida...

Leia Mais

Vampiros do futebol

Vampiros do futebol

Pensei que já havia visto de tudo no futebol. Lavagem de dinheiro, roubo, formação de quadrilha, mas nunca na minha vida imaginei que os tão na moda vampiros existissem no futebol. Sanguessugas sedentas, que sorrateiramente e na calada da noite, escolhem uma pobre e indefesa vítima. Como não comparar a lendária entidade com o que tem acontecido entre nosso time e os outros clubes daqui. Mas abastados que nós, eles invejam nossos destaques e, de madrugada em madrugada, vão acertando com nossos profissionais. Nem sequer a luz do dia os vampiros de Pernambuco atuam nos escusos bastidores do futebol. Nunca em toda minha vida, tinha visto 7 dias de negociações de madrugada, tarde da noite ou às 05 da manhã. Por que esconder tanto um assédio tão divulgado e público? Bom, eu queria dizer apenas que apesar de tudo, não culpo os vampiros do outro lado. Eles podem voar alçados pelas asas que lhes foram dadas (muito dinheiro da TV). Podem possuir medalhões velhos e caros (como Durval). Podem ser extremamente ágeis (como em 24h tirar um técnico do adversário, na calada do breu noite), podem hipnotizar simples mortais (com propostas irrecusáveis). Eles são endinheirados, podem tudo, mas um poder nenhum desses vampiros tem e nem jamais terá: o poder de ressurgir das cinzas e se livrar da maldição que eles carregam. Como verdadeiros heróis, estamos cada vez mais fortes e firmes em nosso propósito de voltar à luz do dia e abandonar essas trevas em que nos metemos. Tenho uma opinião tão formada sobre isso que acho até que nenhum dos três que saíram fará muita falta, e indo mais além, eu acho que dentro do próprio plantel esses jogadores podem ser substituídos sem tanto ônus no padrão de jogo do time.  Pra mim, mais traumático que a saída repentina dos três seria a saída Dênis ou Tiago Cardoso, Natan não se recuperar a tempo, atrasar salários ou contratar chicões e zés teodoros da vida. Não posso criticar ninguém por buscar melhorias em sua vida, principalmente numa carreira curta como a de um jogador de futebol. Critico contratos que não amarram saídas bruscas e sem render nada ao contratante. Critico dirigente que propositalmente atrasa INSS. Critico transações na calada da noite e com cláusulas de confidencialidade, cláusulas essas que são o único motivo no meu entender do vampiresco horário no qual foram realizadas as citadas transações. Critico a...

Leia Mais

Justiça, ora, a justiça!

Justiça, ora, a justiça!

Não existe justiça no futebol. Talvez o esporte imite a arte, como a arte imita a vida. Na vida nem sempre prevalece o justo e muitos são os atalhos para se tomar o certo por errado. Tem-se a impressão, aqui e acolá, que mais vale a destreza do advogado do que a verdade dos fatos ou a interpretação do juiz que o texto da lei. A lei, me ressinto em dizer, não serve à justiça. Serve, quando muito, à própria lei. Não. Não existe justiça no futebol. Se houvesse, algum tribunal desportivo daria, por unanimidade, a vitória ao Santa Cruz no Clássico das Multidões. O resultado final não valeria, porque não seria justo, nem verdadeiro. Ontem, o Santa Cruz pôs o rival sob seu jugo. Foi soberano. Saiu de um primeiro tempo equilibrado para um segundo absoluto. Sobrou em campo. Foi tamanha a superioridade que o empate serviu à torcida adversária como um título de copa do mundo. O Santa, apesar da empáfia do lado de lá, mandou no jogo. Tanto que abusou. No final da partida, eu gritava em vão para o time segurar a bola no ataque. Minha voz foi abafada pelos gritos de olé! Grita-se olé!, quando muito, numa goleada, onde não mais é possível dar chances ao azar. Em um clássico, tudo pode acontecer até o apito final. Cada jogo do passado está aí para provar. Dizia a Paulinho, segundos antes do lance capital, que só um milagre tiraria a vitória. O milagre nasceu de um tolo desejo de vingança dos que, em campo, engoliram calados, durante toda a semana, o outro lado cantar de galo. Deixaram, então, de fazer justiça para serem justiçados. Da vingança fez-se a soberba, que tombou castigada nos minutos finais. Eis a justiça no futebol. O pênalti não foi cometido por um só jogador, mas por todo o grupo. Começou no ataque com uma tentativa de drible desnecessária, passou por um vácuo na lateral direita até terminar na área, desmantelado no chão. O correto seria prender a bola e gastar o tempo. O tempo, ah!, o tempo, compositor de destinos e regente de movimentos precisos. Faltava uma réstia de momento, um triz de minuto. Que os segundos passassem com a bola em nossos pés. Na arquibancada, explodi impaciente e demorei a me acalmar. Não se pode contar com a vitória antes do fim. A soberba nos tirou a liderança e...

Leia Mais

Rombo trabalhista

Rombo trabalhista

Os números financeiros do Santa Cruz sempre foram cercados de mistérios. Hoje, um desses números foi revelado publicamente (pasmem!) por uma nota publicada no site oficial do Sport e confirmada por Antônio Luiz Neto ao jornalista Cassio Zirpoli, em seu blog. Trata-se da dívida trabalhista do clube, que subiu de 25 milhões, em 2009, para os atuais 40, em 2013. Um aumento que gira em torno de 60% em apenas quatro anos. A dívida, é verdade, não foi contraída pela atual gestão e em sua composição, evidentemente, deve conter processos em andamento. Contudo, a nota revela que, se houve algum esforço para sanear as obrigações do clube, ele certamente foi em vão. Também evidencia, comparativamente com os nossos adversários, a difícil situação do Santa Cruz e sua sombria perspectiva para o futuro. O rombo trabalhista dos grandes clubes pernambucanos Cassio Zirpoli As dívidas trabalhistas, com a possibilidade de execuções sumárias, há anos comprometem as receitas dos clubes do futebol no país, envolvidos num histórico de gestões pouco apegadas aos plenos direitos do trabalhador. Uma hora a conta a chega. Em Pernambuco, o rombo é milionário. Chegou ao ponto de ser necessário costurar um acordo na Justiça do Trabalho. Envolveu alvirrubros, rubro-negros e tricolores. A articulação em 2003 destinou 20% das receitas do trio, desde então, para reduzir as dívidas trabalhistas. Posteriormente, outros acordos foram feitos, parcelando o rombo. Mas pagam uma, surge outra. Pagam uma parcela, deixam de pagar duas. A história segue. Em quatro anos, a dívida trabalhista dos três clubes caiu de R$ 62 milhões para R$ 60,5 milhões, mas longe de uma distribuição uniforme. Em 2009, as dívidas eram as seguintes: Santa Cruz, R$ 25 milhões. Sport, R$ 20 milhões. Náutico, R$ 17 milhões. Em 2013, os dados foram “revelados” em uma nota oficial do Sport. Ainda que os coirmãos tenham sido citados como times “A” e “B”, não é muito difícil elencar as equipes, analisando em cima desses supostos números. Porém, o blog questionou os presidentes de Santa e Náutico sobre as informações. O tricolor Antônio Luiz Neto confirmou o dado divulgado no site leonino, uma vez que havia julgamentos em curso antes de sua gestão. Já o alvirrubro Paulo Wanderley disse que o montante seria “bem menor”, com tempo de pagamento três anos mais curto. Em vez de R$ 18 milhões, como na nota, o balanço mais recente apresenta R$ 300 mil a menos...

Leia Mais
1 de 24123...1020...