De pouquinho em pouquinho

De pouquinho em pouquinho

Devagarinho, comendo pelas beiradas e cercando o Lourenço estamos vendo um novo Santa Cruz. Vou aproveitar esse espaço pra tocar em alguns pontos nos quais sempre fui um crítico ferrenho e admitir que de pouquinho em pouquinho vou me rendendo e elogiando.

Leia Mais

Qual é a vibe da torcida coral?

Qual é a vibe da torcida coral?

É fato que nada no clube das três cores acontece sem dores ou pesares, não deveria ser assim, mas é. A atual campanha no brasileiro que o diga. A torcida, por outro lado, ao longo desta caminhada, vinha sendo a placa mais regular desta estrada em construção. Na chuva ou no sol, na D ou na A, onde quer que o Santa tenha estado, a torcida esteve junto. Todo o tempo. Contudo, nota-se, nos últimos tempos, certo desgaste, melhor dizendo, fadiga dos torcedores. De tanto esticar o elástico da paciência, ele se encontra por um fio de cabelo de sapo. Daí os xingamentos, as vaias, as incompreensões. Pior, a intolerância. O futebol, como se sabe, é um esporte que anda na contramão da lógica. Nele, mais que nos outros, sempre aparecem indivíduos cujos objetivos pessoais ultrapassam os objetivos coletivos e, obtusamente, não entendem que o sucesso do Clube é o caminho mais seguro para que todos saiam ganhando. No caso do tricolor do Arruda, nota-se, por vezes, que os desejos vorazes e a soberba de uns poucos insistem em corroer a instituição Santa Cruz por dentro, feito cupim. É preciso um lastro de madeira mais forte para resistir aos ataques subterrâneos. O lastro mais forte foi, tem sido e sempre será a torcida coral. Por este motivo não se pode recuar, medrar, retroceder diante das adversidades; é necessário perseverar na crença de que o dia de amanhã será melhor do que o hoje, senão se cai na onda da “síndrome do peru”, onde se morre de véspera. É preciso garantir a sobrevivência do “Mais Querido”, mesmo quando tudo conspira contra. A cada nova gestão…, nova equipe…, nova comissão técnica, espera-se que apareçam pessoas capazes de sintonizar com os anseios dos torcedores santacruzenses. Não se pretende que moram de amor pelos fãs, mas que respeitem o maior patrocinador do clube. Que sejam profissionais e recebam seus ordenados em dia, mas demonstrando ética e consideração por quem, por ora, paga a maior parte da conta. Assim, quem sabe, os que ficam no plano do cimento duro das arquibancadas, talvez, possam se sentir mais confiantes em continuar patrocinando o objeto de amor mais sublime – a equipe coral – cuja comissão técnica e jogadores, por certo, não conseguem compreender a dimensão deste amor, algo tão subjetivo e singular, para cada um dos torcedores, tão importante quanto o ar que respiram. Algo tão...

Leia Mais

De canalhice em canalhice, a gente vai tomando na jaca

De canalhice em canalhice, a gente vai tomando na jaca

Começaria a crônica anunciando maldições, o escambau. É muito azar, diria e levantaria as mãos aos céus — Eloi Eloi lama sabachthani? Mas estou com o medo terrível de que, uma vez pronunciado nomes em vão, as contingências sem limites do Destino destruam o mistério da transcendência tricolor. Portanto, nesse momento, prefiro alguns caminhos seculares para entender essa confusão na qual os sacanas do futebol colocaram o Clube do Santo Nome. Porque só pode ser sacanagem, vamos combinar. Uma dívida de 2008 tira seis pontos do Betim no meio de uma competição em 2013. É a FIFA, caros amigos, a gerontocracia mais safada do planeta. E imaginaríamos, aqui, um efeito dominó infernal no futebol brasileiro, tirando pontos de todos os clubes endividados e colocando o Flamengo na série Z. Não, isso não aconteceu, imaginem, era apenas uma pegadinha. Como o Betim perdeu pontos na fase de classificação do mata-mata, cujo adversário é o Santinha, pensaríamos que nosso clube estivesse automaticamente classificado — e na série B. Que nada, a CBF impôs o time de Rivaldo, o Mogi-Mirim. Qual foi a lógica dessa decisão? Aparentemente, nenhuma, segundo o Coronel Peçonha (leia aqui). Se a lógica jurídica não embasou a justiça, qual foi aquela que pôs o Mogi-Mirim na disputa? Desconfio que tenha sido a política, uma lógica que pode, segundo a modalidade, engabelar a justiça. Ora, alguém põe a mão no fogo pela CBF? Digamos que estamos diante de um consenso absoluto da cidadania brasileira: ninguém torrará a mão, porque a CBF não presta. Vejam que escrevi “cidadania brasileira”, pois queria decência no argumento. Evidentemente, existem pessoas com as mãos em chamas pela CBF, a começar pelo presidente de uma federação muito bem conhecida dos habitantes da terra dos altos coqueiros. Nesse caso, qual seria o interesse em impor o Mogi-Mirim? Confesso que não saberia responder. Interesse do vice paulista em proteger um clube conterrâneo? É uma possibilidade, pois a dita federação nacional de futebol sempre agiu segundo seus interesses, alguns bem explícitos, outros nem tanto — “agir segundo seus interesses” é uma maneira diferente de dizer “agir segundo suas relações de poder”. A CBF não está nem aí com os clubes brasileiros. Só agora, vejam só, discutirá um calendário decente. E tudo por causa de um movimento de jogadores. Pois seu foco é a seleção. Por meio dela, ganha milhões, explorando jogadores de clubes. A canarinha é uma mercadoria...

Leia Mais

Vale o quanto pesa (1)

Vale o quanto pesa (1)

Para desenvolver o tema proposto pelo título seria necessário definir o que entendemos por peso. “Matematicamente, ele pode ser descrito como o produto entre massa e a aceleração da gravidade local”. (UOL). Moralmente, diz-se do caráter de uma pessoa; socialmente, refere-se ao seu valor dentro da comunidade em que se insere; popularmente, tem a ver com a coerência entre o que se diz e o que se faz e assim por diante… Neste escrito tecerei algumas considerações sobre parte do elenco do Santa Cruz e noutra oportunidade completarei os comentários envolvendo a outra parte. Tentarei estabelecer uma relação entre o peso da camisa do Santa e o valor de quem a veste. Reconhecendo que todos nós temos um eu íntimo (que não mostramos), um eu social (que alguns conhecem) e um eu público (visível para todos), tentarei me referir ao “eu” públicol de alguns atletas corais, começando pelo goleiro. TIAGO CARDOSO. Simples, dedicado, afável, paciente, sempre receptivo à torcida ou às crianças que, com admiração, às vezes tocam-lhes as mãos. Um gigante em bolas difíceis, unanimidade entre os torcedores. Quando pegar seu primeiro pênalti terá seu nome gravado no grande livro do coração santacruzense para sempre. EVERTON SENA. Olhar firme, disciplinado, confiável, simples e direto. Implacável na marcação; no confronto um a um dificilmente perde a disputa. Polivalente como nenhum outro, só não faz parar a chuva, o restante ele faz. Assim como aconteceu com Ricardo Rocha, que de zagueiro transformou-se em lateral direito, em 1983 e depois foi parar na seleção, você também, Sena, está fadado ao sucesso. Pela pessoa determinada que parece ser, estaria sendo enaltecido em prosa e verso caso pertencesse a algum clube com um bom departamento de marketing, mas não deve sentir falta disto. Sucesso é melhor que fama, esta é passageira. WILLIANS. Parece com a história do milho que virou pipoca, no melhor dos sentidos. Com a confiança do seu treinador ele se transformou em três e, às vezes, joga por três mesmo (dois zagueiros e um atacante). Agigantou-se na zaga e está fazendo uma grande diferença no sistema defensivo coral, parabéns; que seu brilho esteja sempre presente no campo todas as vezes em que defender o Santa. FLÁVIO RECIFE. Por causa de dele eu remei e continuo remando contra a maré da opinião de muitos dos meus pares que, em grande parte, percebem muito mais o que lhe falta, enquanto eu procuro...

Leia Mais

Rombo trabalhista

Rombo trabalhista

Os números financeiros do Santa Cruz sempre foram cercados de mistérios. Hoje, um desses números foi revelado publicamente (pasmem!) por uma nota publicada no site oficial do Sport e confirmada por Antônio Luiz Neto ao jornalista Cassio Zirpoli, em seu blog. Trata-se da dívida trabalhista do clube, que subiu de 25 milhões, em 2009, para os atuais 40, em 2013. Um aumento que gira em torno de 60% em apenas quatro anos. A dívida, é verdade, não foi contraída pela atual gestão e em sua composição, evidentemente, deve conter processos em andamento. Contudo, a nota revela que, se houve algum esforço para sanear as obrigações do clube, ele certamente foi em vão. Também evidencia, comparativamente com os nossos adversários, a difícil situação do Santa Cruz e sua sombria perspectiva para o futuro. O rombo trabalhista dos grandes clubes pernambucanos Cassio Zirpoli As dívidas trabalhistas, com a possibilidade de execuções sumárias, há anos comprometem as receitas dos clubes do futebol no país, envolvidos num histórico de gestões pouco apegadas aos plenos direitos do trabalhador. Uma hora a conta a chega. Em Pernambuco, o rombo é milionário. Chegou ao ponto de ser necessário costurar um acordo na Justiça do Trabalho. Envolveu alvirrubros, rubro-negros e tricolores. A articulação em 2003 destinou 20% das receitas do trio, desde então, para reduzir as dívidas trabalhistas. Posteriormente, outros acordos foram feitos, parcelando o rombo. Mas pagam uma, surge outra. Pagam uma parcela, deixam de pagar duas. A história segue. Em quatro anos, a dívida trabalhista dos três clubes caiu de R$ 62 milhões para R$ 60,5 milhões, mas longe de uma distribuição uniforme. Em 2009, as dívidas eram as seguintes: Santa Cruz, R$ 25 milhões. Sport, R$ 20 milhões. Náutico, R$ 17 milhões. Em 2013, os dados foram “revelados” em uma nota oficial do Sport. Ainda que os coirmãos tenham sido citados como times “A” e “B”, não é muito difícil elencar as equipes, analisando em cima desses supostos números. Porém, o blog questionou os presidentes de Santa e Náutico sobre as informações. O tricolor Antônio Luiz Neto confirmou o dado divulgado no site leonino, uma vez que havia julgamentos em curso antes de sua gestão. Já o alvirrubro Paulo Wanderley disse que o montante seria “bem menor”, com tempo de pagamento três anos mais curto. Em vez de R$ 18 milhões, como na nota, o balanço mais recente apresenta R$ 300 mil a menos...

Leia Mais
1 de 53123...1020...