De pouquinho em pouquinho

De pouquinho em pouquinho

Devagarinho, comendo pelas beiradas e cercando o Lourenço estamos vendo um novo Santa Cruz. Vou aproveitar esse espaço pra tocar em alguns pontos nos quais sempre fui um crítico ferrenho e admitir que de pouquinho em pouquinho vou me rendendo e elogiando.

Leia Mais

O XIS da Questão

O XIS da Questão

É incrível a pobreza e a falta de criatividade que assolam a imprensa pernambucana. Já faz 2 semanas que escuto que o Santa vai dar o “X” na barbie. E só se fala nesse “X”. Parece que estamos escutando o Xou da Xuxa na hora da resenha.

Leia Mais

Que alívio, Moraes!

Que alívio, Moraes!

Eu lembro que em outras épocas era um martírio olhar a rigorosa escala de publicações do Torcedor Coral. Eu ficava contando quantos dias faltavam para minha vez de publicar por um simples motivo: Eu não tinha nada pra falar. A escassez de ideias e temas para falar sobre o Santa Cruz era enorme.

Leia Mais

Pra lavar a alma

Pra lavar a alma

Vou começar botando logo pra torar: Que vitória do caralho! Foi pra lavar a alma. Merecia ser vista por 25 mil pessoas num sábado à tarde. Há muito tempo não vejo tanta raça no nosso time. E, ainda no clima de ontem, um grito está preso na minha garganta: “Ei, Ricardinho, VTNC!” Não é implicância, gente, mas vamos olhar direitinho pra ontem. Ontem teve volante de lateral, lateral de volante, volante de zagueiro, meia de atacante, ou seja, um samba do crioulo doido que um time sem peças para uso nem reposição demonstra. E tivemos algo que não tínhamos antes mesmo com as peças postadas em seus devidos lugares: Raça. Tinha algo estranho naquele time de Ricardinho, afinal, como explicar que o capitão-homem-de-confiança-mor-supremo, Edson Sitta, nem relacionado é há 4 partidas? Realmente, tinha algo estranho no ar. Quanto ao jogo, o time está muitíssimo longe de ser bom, mas mostrou raça e mostrou que, com alguns reforços pontuais, vai dar muito trabalho nessa série B, que tem nível técnico tão ruim que Aquino é um dos artilheiros. Apesar da limitação do time, sinto coisas boas, sinto o clima ficando bom, principalmente entre torcida e clube. De onde olhamos, notícias ou peruas boas começam a aparecer. Nike, Carlinhos Paraíba, Patrocinador Master e Grafite. A grande jogada da contratação de Grafite não foi apenas o bom jogador em si. Grafite não vem pra somar, veio pra resolver uma integral trigonométrica complexa. Será a referencia do time, o entrevistado, o foco e será pra onde as lentes e microfones estarão apontados sempre. Perfeito isso, porém, tem uma coisa que precisa ser dita: Quando Grafite estrear, já teremos metade do campeonato disputado, sendo assim talvez já tarde demais para qualquer reação na tabela, mesmo com o craque em campo. Cabe a esses caras de ontem, que suaram e correram até os músculos não aguentarem, nos manter vivos pra receber o Grafite. Aí, vem o outro lado, cabe ao torcedor ir a campo, se associar, pagar, apoiar e compreender a ruindade de alguns. Cabe a diretoria, com o aumento dos sócios, patrocinador master, verba liberada pela CBF e qualquer outra merreca que entrar, pagar em dia esses caras. Repito, Grafite chegar com o time motivado e em quinto lugar é uma coisa, chegar em décimo quinto é outra completamente diferente. Assim, é aproveitar o momento, o crescimento e a tabela. Temos um difícil jogo...

Leia Mais

CoralApp

CoralApp

Tá foda falar do Santa. Admito que após o Pernambucano, apenas duas coisas do Santa Cruz foram positivas e uma delas o imbecil aqui perdeu. Digo logo que por motivos de força menor (tive que ficar cuidando de minha filhota) não pude ir ao mega evento coral na casa de Santana. Perdi o primeiro. A segunda coisa positiva foi a reativação do Blog e dos cronistas. Isso tá de vento em popa. Dimas tratou logo de criar um grupo entre os cronistas do Torcedor Coral no WhatsApp que tá bombando. Assistir aos jogos ficou divertido por incrível que pareça. Impagáveis os comentários on-line após cada lance ou substituição. Assim, divagando e lembrando o meu passado de analista de sistemas (porque não tinha mais porra nenhuma pra pensar após o jogo horroroso de ontem!), fiquei imaginando como seria se existisse um aplicativo tipo WhatsApp apenas para toda a Torcida Coral, o CoralApp. Imaginei algo mais ou menos assim: 19:00 Bem Vindo Torcedor Coral, a sala Santa x Paysandu está aberta 19:00 Coral01 entra na sala Santa x Paysandu 19:01 TricolorDoArruda entra na sala Santa x Paysandu 19:03 ForaRicardinho entra na sala Santa x Paysandu 19:04 VoltaDenisMarques entra na sala Santa x Paysandu 19:05 Nó Cego entra na sala Santa x Paysandu·. E em resumo, gente pra cacete entra na sala. Resumi apenas a esses seis sorteados na minha imaginação. 19:30 Nó Cego: Esse time é tão ruim que até gerador explode e luz falta. Nem um choque do trovão de Pikachu resolve. 19:33 VoltaDenisMarques: Se Denis Marques tivesse no Santa não faltava energia. 19:45 TricolorDoArruda: A escalação tá certa! Hoje Vai. #PraCimaDelesSanta 19:46 ForaRicardinho: Certa, porra nenhuma! Nininho, Sitta e Lúcio pra marcar Pikachu?! 20:15 Coral01: Vai começar! Pensamento positivo. Hoje vai! #BoraSantinha 20:15:03 Coral01: PQP com 5 segundos de jogo já perderam um gol de cego! 20:20 Coral01: com 5 minutos já era pra estar uns 2. Time ruim da porra. #SemTesãoPraTorcer 20:25 ForaRicardinho: A mesma falta de tesão pra torcer que temos os jogadores tem pra jogar. Não é apenas ruindade e falta de dinheiro. É falta de alma. Aliás, alguém viu Ricardinho ainda como jogador dar uma carreira pra alguém? Alguém viu Ricardinho como jogador dar um carrinho, ser expulso, acabar jogo cansado e ter garra? Como um time comandado por um treinador que nunca teve sangue nos olhos e espírito de guerreiro vai ter isso. Esse...

Leia Mais

Foi com tempero

Foi com tempero

Posso dizer que o sábado, dia do jogo contra o Central foi um dia com todo tipo de tempero. Tudo começou no nosso recanto de concentração para os jogos no Arruda, o já famoso Caldinho do Bonitão. Comida de primeira, caldinhos deliciosos, cerveja gelada no ponto e a companhia de muitos amigos, entre eles quase toda a família Lins, incluindo Gabriel, o garoto de 12 anos que parece saber os 101 anos do Santa Cruz na cachola. A comida era tão boa (ou o álcool era tão grande) que passamos uns 30 minutos debatendo se um pedaço de carne bem macia era bode ou carne de sol. Outro tempero para esse dia foi o clima de jogo. Há quanto tempo em não sentia isso. Ruas com bandeiras, carros com malas abertas e tocando Pablo ou Musa. Gente na rua vestida de vermelho, branco e preto. Estava com saudades de um jogo assim, que movimentasse a cidade, mexesse com o torcedor. Outro tempero foi o time. Dentro das limitações técnicas e táticas, sejam coletivas ou individuais, achei que o time jogou muito. Perdemos um caminhão de gols e não precisou de João Paulo sangrar pra vermos que o time estava dando o sangue. Mas, teve um tempero que ganhou o dia. Na entrada das sociais fomos temperados com pimenta, spray de pimenta mais precisamente. Aqui entra aquela velha discussão que parece que vamos continuar a chover no molhado. De quem é a culpa de um sócio ser recepcionado com spray de pimenta em seu próprio estádio? A culpa é da diretoria, que disponibiliza apenas uma entrada com cinco catraquinhas para 10.000 entrarem. Além disso, esses novos ingressos cupom fiscal, são ruins pra caralho de passar no leitor de código de barras e amassam muito, o que dificulta ainda mais. Devido a isso, a entrada de uma única pessoa às vezes leva um minuto. Porque não abrir o portão do lado do antigo Colosso pra sócios também? Seria o dobro de entradas. A culpa é da PM, que a cada dia mostra-se mais despreparada e mais truculenta. A violência e falta de paciência dos PMS aumenta a cada nova reportagem que sai contra eles. Eu estava presente e não havia necessidade nenhuma de spray de pimenta ali. Ninguém foi violento ou tentou começar algum tumulto, pelo menos quando entrei. A culpa é do torcedor, que fica enchendo o pote até a...

Leia Mais
2 de 8123...