Copa do Mundo: Do Santa Cruz para a Ucrânia

Quase interminável foi o tempo que passei longe do teclado e das letras, mas o milagre da fisioterapia me trouxe de volta, justo no dia em que comemoro dois anos (02.07.12) como cronista deste Blog (TC), que nos faz rir e refleti, dando sentido à nossa jornada como “Torcida mais Apaixonada do Brasil”. Neste período, muitas coisas boas e ruins aconteceram. No momento, porém, prefiro falar das boas. Uma delas veio com a Copa do Mundo no Brasil, evento que nos fez conhecer dois profissionais da imprensa esportiva de Donetsk – Ucrânia. Pense em pessoas maravilhosas, pensaram? Assim são eles, simples, afáveis, simpáticos, sem afetação; deixaram uma saudade imensa na vida do nosso clã. Os dois foram escalados para cobrirem os jogos da Arena Salvador e da Arena Pernambuco, cidades que no passado vivenciaram uma guerra separatista à semelhança daquela que se desenrola atualmente no país de onde precedem. Hospedados na casa do meu filho, Ramsés, estas pessoas entraram na vida da família Moura para ficar. Além de conhecer nossa gente e nossa cultura, quando eles nos viram vestidos com o manto sagrado, logo se interessaram em conhecer a história do Santa Cruz, o clube das multidões. Ficaram impressionados com as estatísticas que nos colocaram por vários anos no topo do ranking de público nos campos brasileiros, sem esquecer que já estivemos em 39º lugar entre as torcidas, no mundo. Nesse cenário, nasceu uma reportagem internacional na qual os uckranianos do outro lado do mundo ficaram conhecendo como vivia uma família brasileira (representada pela nossa) e o fanatismo por um clube de Futebol – o Santa Cruz. Eles passearam pela casa filmando todos os detalhes nas três cores, no quintal, móveis, fotos, e em todos os aposentos marcados pela paixão coral. Quiseram conhecer o estádio onde, tempos atrás, a lotação teria atingido mais de 90 mil pessoas e se surpreenderam com o estado degradante daquela edificação. Maltratado, foi esta a definição mais próxima daquilo que eles perceberam, concluindo que uma torcida tão grandiosa, como a do tricolor do Arruda, não merece uma praça de esportes tão descuidada. No entanto, gostaram muito da Loja dos fãs (Santa Cruz Store), elogiando a grande variedade de artigos à venda. Viktor Sokolov e Vladymyr Konoplya, jornalistas da TV CHANNEL FUTEBOL, receberam de nós alguns presentinhos corais tais como: copinhos de cachaça, almofadas e a bandeira do Santa, empunhada com carinho pelo Viktor. Não...

Leia Mais

O Santa Cruz e as contradições visíveis

Nascido há 100 anos, com uma visão de futuro avançada e hoje considerada politicamente correta, o Santa Cruz abrigou desde sempre a diferença e a diversidade, com potencial extraordinário para agregar a solidariedade de seus simpatizantes, que foram construindo tijolo a tijolo, com a participação de abnegados de todas as classes sociais, não apenas o patrimônio físico localizado no bairro do Arruda, mas, principalmente, um grande patrimônio humano, espalhado no mundo inteiro, representado por seus apaixonados seguidores. Torcer pelo mais querido é certeza de se ter opinião própria e de não se deixar influenciar por modismos ou imposições culturais internas e externas e isto se nota desde cedo, nas crianças que escolhem o Tricolor do Recife como clube do coração. Considerando este contexto profícuo, acreditava-se que a imensa massa coral pudesse, enfim, viver um ano de grandes realizações do ponto de vista estrutural, desportivo e comercial, no entanto, o que se tem apresentado aos aficionados são contradições, muitas. Para evidenciar tais contradições, gosto de salientar, baseio-me em sinais e indicadores externos, comentários de torcedores que estão de alguma forma mais perto das entranhas do clube, notícias da imprensa esportiva, comunicação não verbal dos protagonistas do fazer futebolístico da agremiação, dentre outros aspectos. Não esqueçamos a capacidade que o clima organizacional que permeia o Santa Cruz tem para influenciar o moral dos torcedores, cada vez mais ressabiados com os altos e baixos da equipe de futebol, alma e essência da razão de ser santacruzense. Comecemos, então, a análise pela contradição da própria torcida, visceral como é de se esperar. Observam-se as mesmas vozes que antes clamaram pela vinda do treinador Vica, hoje berrarem por sua saída, sendo que ele é apenas uma parte do todo que precisa ser entendido. Façamos um exercício de se colocar no lugar do outro. Como nos sentiríamos se recebêssemos uma missão para realizar uma tarefa grandiosa sem receber condições materiais para fazê-lo? Qual seria o sentimento que nos assaltaria se estivéssemos numa empresa onde o apoio efetivo para o exercício da liderança não pudesse ser concretizado? E se os nossos subordinados, por acaso, fizessem “greve branca” para comprometer os resultados a serem alcançados só para nos tirar do lugar de autoridade? E se houvesse no ar mensagem subliminar que induzisse a pensar que vencer todas as competições não seria prioridade, pois as cotas de vitórias deveriam ser repartidas entre adversários? E se; se e se?...

Leia Mais

No futebol nada é impossível

Quando pensei em escrever um texto, logo fugi da ideia de fazê-lo imaginando nos nossos jogadores, torcedores, etc., pois fico decepcionada quando vejo os adversários jogando exatamente da maneira que idealizo. Coincidência? Pelo sim, pelo não, melhor não arriscar mais. Então, resolvi falar do oponente, pois se alguém quiser aproveitar alguma coisa dos escritos já terá valido a pena tê-lo feito. Não duvido nada que o Lisca, de repente, quem sabe, não use as informações aqui postadas para abater o Sport da próxima vez que se encontrarem, uma vez que o Santa Cruz, até agora, parece incógnito.  Não é ruim que o time coral esteja sob a sombra da dúvida, pois sem conseguir passar confiança aos seus patrocinadores (a torcida), quem sabe, resolva tomar um choque de realidade analisando o que perderá se deixar escapar a classificação. Afinal, no futebol, nada é impossível. O clube da ilha, por sua vez, é muito cristalino em alguns aspectos e muito escorregadio noutros, senão vejamos: A transparência do Sport está na arrogância de grande parte de seus dirigentes e torcedores, mal que facilmente escorrega para dentro das quatro linhas e contagia muitos jogadores. Eles se consideram melhores do que todo mundo e adoram, principalmente, derrotar o Santa Cruz, clube que historicamente não treme, nem se curva diante de sua soberba. Dentro e fora de campo humilham, não medem as palavras para ofender e se puderem aniquilar os que não compartilham de suas ideias, eles o fazem, sem nenhum problema de consciência. No gramado a prepotência se faz notar na maneira como eles tratam os árbitros. Gritam, apontam o dedo em seus narizes, brigam com eles, os desrespeitam, jogam a bola no chão para protestarem contra a marcação de alguma falta, apesar de saberem que, simbolicamente, este gesto significa agredir o juiz. Tudo isto com a certeza absoluta de que não serão punidos. E não são mesmo. Os jogadores, ano após ano, parecem ser escolhidos a dedo pela capacidade que demonstram no sentido de machucar os adversários. Certas partidas assumem o formato de peleja desleal com golpes de luta livre tais como: tesouras nas pernas, pisadas nos pés, que provocam lesões graves, pois o pé fica preso e o jogador em movimento rompe os ligamentos do joelho. Cabeçadas criminosas e cotoveladas são distribuídas (Renatinho que o diga), enquanto o árbitro dá as costas e o olhar indiferente do comentarista de arbitragem da TV,...

Leia Mais

Morder ou ser mordido

  Em quase todas as áreas de atuação humana, algum dia, chega-se a um ponto no qual é preciso seguir caminhos alternativos, por em prática ações diferentes das que foram planejadas, tomar decisões, fazer comparações, enfim, escolher. No processo de escolha geralmente se tem dois lados, algumas vezes, mais de dois. “Ser ou não ser”; partir ou ficar; prosseguir ou parar, etc., no futebol não é diferente. Neste âmbito o mote é morder ou ser mordido, pois o esporte mais popular do planeta não deixa margem para a mesmice e foge de todos os padrões estabelecidos nos desportos de alto rendimento, inclusive, no campo trabalhista, onde ocorrem arbitrariedades do tipo: não pagamento de salários e prêmios; dispensas injustas, exclusão, esquecimento das conquistas, dentre outros aspectos. Apesar dessas e de outras dificuldades, inerentes ao contexto futebolístico, muitas vezes percebe-se, dentro do campo de jogo, verdadeiras histórias de superação, característica do caráter resiliente da maioria dos atletas. É assim que, nas disputas, testemunhamos surpreendentes resultados tais como: equipes mais estruturadas (material e financeiramente) perdendo para aquelas consideradas menos estruturadas; garra e vontade superando técnica; estratégia e tática sendo suplantadas por criatividade, versatilidade, entre outros aspectos. Alguns boleiros sonham com a mudança de status social, outros almejam a fama, mas a maioria, de fato, tenta sobreviver no complexo mundo do futebol onde, de modo geral, os salários são ínfimos e os exageros são minoria. Feitas estas considerações, reporto-me às competições ora em curso no calendário semestral do nosso clube, o Santa Cruz. A Copa do Nordeste, relevante para nós enquanto busca de afirmação regional e o campeonato pernambucano, questão de honra, pela busca do tetra campeonato. Tanto numa como na outra verificamos na postura dos postulantes uma espécie de empenho pessoal de cada atleta, no sentido de obter êxito naquilo que foi proposto. Aí não tem como deixar a dúvida se estabelecer; ou se morde ou então se é mordido, usando a linguagem popular daqueles que colocam a faca nos dentes e partem em busca de suas conquistas. Não se nota excepcionais diferenças entre “grande” ou “pequeno”. O que se vê são equipes acreditando até o apito final do árbitro. Cabe a nós torcedores (por que não?) alertar nossos jogadores sobre a importância dos resultados positivos destas competições e seus impactos posteriores. Com as vitórias por certo virão, também, a atualização de salários (não deveria ser assim) por conta das rendas, a...

Leia Mais

É festa!

Parte 1 Dezembro é tempo de rememorar a trajetória de Jesus Cristo na terra e de comemorar a família e as amizades construídas ao longo do caminho da vida. Dezembro também é mês de celebrar o aniversário do Blog mais diverso do mundo, no entorno do nome do Santa Cruz, o Torcedor Coral. Assim, com tanta coisa boa junta e misturada, o fato não poderia passar em branco neste importante período. Então, ficou decidido que a comemoração da equipe responsável pelo Blog seria, novamente, no meio da mata atlântica. Quem sabe receberíamos mais uma vez a visita da convidada mais ilustre – a cobra coral. Durante a semana preparatória, Toy era o mais ansioso. Todo dia olhava para o céu, resmungava quando ele vertia pingos de chuva. Pedia, todo dia, que eu olhasse a previsão meteorológica para saber se ia chover no sábado 21. O negócio estava tão sério que cheguei a pensar em TOC, mas logo percebi que se tratava da popular síndrome do peru. Ele morreu três dias antes, com medo da chuva. Dimas ficou de fazer os contatos com os demais companheiros. Paulinho se apressou em confirmar presença. Perrusi anunciou presença todo animado com a perspectiva de por aqui encontrar não apenas a cobra coral, mas uma anaconda coral. Eu prometi fazer o bolo comemorativo. Expectativas no ar. Chegou o grande dia. Devido ao tamanho do quintal não seria possível chamar a grande massa de irmãos tricolores como gostaríamos, mas por certo brindaríamos a todos e todas que participam das nossas rodas de conversa virtuais. Ducaldo foi o único que respeitou o horário marcado. Chegou exatamente às 11h30. Os demais vieram atrasados. Durante o trajeto até a mata, Murilo comentava com o taxista que estavam se dirigindo à casa da ex-psicóloga do Santa Cruz, que agora estava atendendo os participantes do TC, que tinham ficado com os parafusos trocados, nestes longos anos de limbo do mais querido. Enfim reunida, a cúpula do TC iniciou os trabalhos. A reunião mais informal e bagunçada de todos os tempos. A senha para os convivas entrarem na festa era apresentar cerveja ou petiscos; a feijoada estava garantida pelos anfitriões. Imagino que o povo só pensava em beber, pois as cervejas não paravam de chegar. Tantas que algumas foram parar na geladeira da casa, enquanto outras foram espalhadas, estrategicamente, pelo quintal em isopor e baldes de gelo. A manguaça correu solta...

Leia Mais

Celebração coral

Celebrar é um verbo transitivo direto, forte, robusto, cheio de glamour. Hoje, 6 de dezembro de 2013, ele será empregado, aqui neste espaço, com muita propriedade por quatro motivos. O primeiro deles é o que me move a escrever estas linhas. Trata-se do aniversário do Torcedor Coral que completa sete aninhos de existência. Sete, no entanto, é um número cabalístico, tanto quanto a visita da cobra coral que recebemos, quando da comemoração do tri campeonato pernambucano, na sede física do TC. Sete é também um número finalizador. Com ele encerraram-se as pragas do Egito, que para nós representaram os anos de poço, profundo poço das séries “D” e “C”. Em sete anos vimos o nosso Santas Cruz subir e descer, descer e subir e com isto testemunhamos sua torcida subir e subir, levando de volta, em seu bojo, um Santa Cruz ainda mais forte, mais calejado nas agruras das divisões inferiores do futebol nacional. O TC esteve presente nesta caminhada e chega neste dia celebrando a vida e a renovação, a sua e a do tricolor do Arruda, convidando para uma nova era, para um novo tempo, tempo de ser feliz. Este Blog alegre, democrático e formado na diversidade da vida não poderia deixar de celebrar tão importante data, principalmente, com toda maluquice que faz parte dos editores, cronistas, colaboradores e simpatizantes. Aberto ao desabafo dos santacruzenses, controverso ou afinado, o Torcedor Coral tem contribuído com o debate para que tenhamos um Santa Cruz glorioso e sempre ávido por novas conquistas. Que façam música lá no céu Capiba, Chico Science e Luiz Gonzaga, pois na terra a luta continua e o clube das três cores, na verdade, é a própria razão de existir do estilo provocador de ser dos que militam nesta cancha de diferenças. Sete anos se passaram desde o nascimento do TC. Estamos deixando agora a primeira infância, com uma imensa bagagem de experiência e aprendizagem que nos estimula a continuar dedicando parte do nosso precioso tempo a escrever sobre a nossa maior paixão, a coral. Em nome do amor estamos a engrossar as imensas fileiras repletas de amantes que se espalham pelo mundo inteiro, gritando de alma escancarada: como é bom ser Santa Cruz; como é bom ser Torcedor Coral. As outras três razões da celebração se somam e completam a alegria do aniversariante; 2013 foi um ano inesquecível, tanto quanto aquele no qual atravessamos o...

Leia Mais
3 de 6...234...