Acredite sempre no Santa

bola-na-rede.jpg

O texto de hoje vem de Jediael Costa Araújo de São Vicente, São Paulo, que, com muita beleza e simplicidade, nos revela o precioso momento em que tornou-se tricolor nos idos de 1955. Na época, o Santa enfrentava a poderosa equipe do Náutico que havia se sagrado campeão quatro vezes em cinco oportunidades nos anos anteriores (1950, 1951, 1952 e 1954). 
 
Mande seu texto ou sua crônica para o Torcedor Coral, que teremos prazer em publicar. Para tanto, clique na página Contato e nos mande um e-mail.
 
Saudações tricolores,
 
Dimas Lins


Acabou a preliminar do jogo de aspirantes e o santa saiu com a vitória. Todos foram para o túnel e a imensa torcida esperava o time titular entrar  em campo. O estádio era o dos aflitos. O ano, 1955.
 
Eu nunca havia ido a um jogo de futebol profissional e, neste dia, saí do Rosarinho, onde morava, e sem que meus velhos soubessem, me arrisquei a ir ao campo ver a propagada partida entre Náutico e Santa Cruz.
 
O que me impulsionou a ir ver o clássico foi o estardalhaço do lançamento da música de grande sucesso do cantor Jackson do Pandeiro. “Este jogo não pode ser um a um e se meu time perder vai ter zunzunzun, é encarnado e branco, é encanado e preto, é encarnado preto e branco”. As rádios malharam esta música o dia todo, não resisti ao apelo e vi que aquele clima formado tinha tudo a ver com o clássico. 
 
Como era criança, apostei na boa vontade de seu Misael, um amigo de meu pai, nosso vizinho, que fazia bico como porteiro nos estádios.
 
Ao chegar à portaria, ele me viu e me deixou entrar fazendo com o dedo polegar que estava tudo ok! Neste dia foi a minha primeira alegria. Ao entrar, fiquei postado em frente às cabines de rádio, ali no alambrado. O estádio era um silêncio de morte esperando as equipes entrar.
 
O Náutico entrou primeiro, neste tempo a torcida coral os chamava de “pastoras”, mesmo assim  achei legal o uniforme do Náutico. Como nunca havia ido a um estádio, elegi parcialmente a equipe timbu como o meu time, mas foi um ledo engano, porque quando o santa apontou na boca do túnel e a imensa torcida coral começou a gritar o nome do santa, a minha emoção veio à tona. Que coisa esplendorosa era ver o santa entrando em campo naquela época!
 
O jogo foi um a um e o Náutico abriu o placar com Hamilton, logo no início da partida. Nós só fomos empatar esplendidamente nos últimos minutos. O nosso gol, gol não! Golaço do nosso grande centroavante, o grande e inesquecível Paraíba, o canhão do arruda!
 
Falta no bico da grande área, dois minutos para o término. A lenda do Arruda pegou a bola cor de laranja cravo com as duas mãos ao seu estilo, olhou para o árbitro para receber o sinal de autorizado, tomou distância e partiu em direção à pelota e com a sua destruidora perna esquerda soltou a bomba. A bola alaranjada partiu parecendo com um meteoro em direção do gol do gordo goleiro alvirrubro Manoelzinho. Este, ao ver aquela bola, que parecia um dardo flamejante em sua direção, se abaixou temendo ser alvejado, porque a velocidade da bola era tão grande que a torcida só viu a rede do infeliz goleiro se estufar. A coisa foi tão linda que até hoje eu guardo isso na lembrança, porque a torcida alvirrubra já contava com a vitória.
 
Como eu tenho orgulho de ser torcedor do Santa Cruz, o tricolor do arruda! Quanta glória o meu santa tem em sua gloriosa historia!
 
Saudações Tricolores.
 
Jediael Costa Araújo

5 Comentários

  1. Marcelo Beltrão
    1

    Muito legal, essa crônica. Acho que a nossa torcida tomou conta de praticamente todo o campo do Náutico.

  2. Coronel Peçonha
    2

    É isso aí, Dimas. Um texto maravilhoso e que ainda acredito que veremos novamente: a torcida enchendo o estádio para ver o Santa Cruz de raça e qualidade.

    Parabéns a Jediael e obrigado tanto pelo prazer da leitura quanto pela informação de que as barbies já foram pastoras!!!

    O Santa Cruz é minha pátria.

  3. Claudemir Pereira - Mameluco Tricolor
    3

    Cidadãos Tricolores!

    Como deverei me referir agora aos torcedores da ratazana dos aflitos, barbies ou pastoras? Na verdade tanto faz, desde cedo essa gente já era nebulosa.

    Saudações Tricolores

  4. Claudemir Pereira - Mameluco Tricolor
    4

    Em tempo!

    Parabens pelo texto Jediel.

    Saudações Tricolores

  5. ENOCK MELO BETO
    5

    Foi muito legal saber que meus tios são tricolores, e saber que time tem uma historia.

    Sinceramente

    ENOCK BEBETO

Regras de moderação do Torcedor Coral
O Torcedor Coral não se responsabiliza pelas opiniões de seus leitores, mas se reserva ao direitor de excluir, sem aviso prévio, os comentários que:
1. Façam acusações sem provas;
2. Configurem qualquer tipo de crime, de acordo com as leis do país;
3. Contenham ofensas pessoais a quem quer que seja, mesmo que o ofendido seja reconhecidamente um canalha;
4. Defendam ou enalteçam o LEF, pois nós somos liberais, mas nem tanto assim;
5. Utilizem e-mails falsos ou inexistentes;
6. Tenham características de chat ou bate-papo;
7. Copiem textos publicados em outros espaços virtuais, ao invés de publicarem os links das matérias originais.
8. Publiquem sistematicamente os mesmos comentários, repetições de ideias ou opiniões;
9. Publiquem comentários com prevalência em caixa alta, que é o mesmo que gritar na internet;
10. Manifestem intolerância à liberdade de opinião;
11. Tenham características de perseguição a outros leitores;
12. Manifestem, implícita ou explicitamente, mensagens eleitorais, tanto de candidatos a cargos no clube, quanto de partidos políticos;
13. Contenham mensagens abusivas, desagradáveis, ostensivas, cansativas e que não se utilizem de bom senso.

Algumas palavras estão programadas para cair automaticamente na moderação de modo a facilitar o cumprimento das regras. Assim, seu comentário será liberado o mais rápido possível, se for constatado que não houve violação.

O sistema anti-spam do Torcedor Coral, utilizado para evitar malwares ou vírus, ocasionalmente poderá reter indevidamente um comentário legítimo. Também poderão ser retidos indevidamente os comentários que contenham dois ou mais links, pois são através deles que ocorrem ataques ao blog. Tão logo esses casos sejam identificados, os comentários serão liberados.

Lembre-se, o trabalho no Torcedor Coral é realizado de forma voluntária por cada um dos editores, cronistas, moderadores e colaboradores, já que todos atuam profissionalmente em outras áreas. Dessa forma, tenha paciência, caso seu comentário não seja liberado imediatamente.

Para comentar regularmente, o autor deve ter um comentário aprovado anteriormente no Torcedor Coral.

Os casos omissos serão definidos pelos editores do blog.

Responder

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *