Nove mil corações de esperanças

Foto: Coralnet

marcelo-ramos.jpg

Marcelo Ramos: um herói de cabeça baixa

Recebo um texto do meu amigo Manoel Valença, popularmente conhecido na região como Manequinha, sobre o jogo de ontem. Parceiro de todos os jogos, Manequinha envia-nos um relato emocionante que só pode contar quem esteve no Arruda.
 
Em tempo, Moreno e Cleison foram dispensados hoje pela manhã. Ah, e Maneca tem futuro como cronista coral.
 
Saudações tricolores,
 
Dimas Lins


Cheguei ontem ao Arruda por volta das 19 horas. Dava pra perceber o clima entre os torcedores que chegavam juntamente comigo. Era um misto de esperança (afinal, novo técnico, o grupo com quatro perronhas a menos –  os dispensados Rodriguinho, etc., etc., etc.) – e de apreensão. Nas últimas 48 horas, só bombas pra cima de nosso Santa. É dívida, correria atrás de pagamento de salário, proibição de vender ingressos de sócios na sede, julgamento para jogar com portões fechados e, por fim, como a vela do bolo de desgostos e apreensão, ameaça de prisão de nosso Presidente, o maior coitado de todo o Santa Cruz. Gente, se nós como torcedores estamos preocupados e apreensivos, imaginem um homem como Edinho, de competência reconhecida em todo Brasil, metido nessa confusão.
 
Eu conseguia sentir nas conversas e nos semblantes esses sentimentos. Alias, foram mais de 9000 semblantes. Um público fantástico, dadas as condições do time, o que me enche de esperança em imaginar que o Santa ainda é muito grande e que vamos sair de mais essa situação.
 
A bola começa a rolar. Vejo um time limitadíssimo, porém, muito voluntarioso. No começo do jogo, me pareceu que os nossos jogadores estavam engasgados com alguma coisa, que iriam detonar, golear, e sair de campo aplaudidos de pé. Porém, o tempo foi passando, e logo aos 10 minutos, voltei a ver aquele velho futebol burocrático, sem produtividade e sem marcação que deixa qualquer atacante de qualquer time sempre na cara do nosso gol. E, pouco depois, aos 20 minutos, o que estava ruim tendia a piorar. Um expulsão. E contra o Santa Cruz. E, diga-se de passagem, justíssima. O nosso zagueiro, que 2 minutos antes tomava seu amarelo, fazia uma falta e levava seu vermelhinho. Aliás, o segundo vermelho desse zagueiro em três jogos. Pra quem não se lembra, ele foi expulso contra a Ulbra. Coloquei as mãos na cabeça. Virei o copo de cerveja Frevo quente que eu estava bebendo e pensei : "Que inveja de Dimas que está em casa doente !!!".
 
Porém, acho que algo aconteceu entre nossos jogadores. Não sei se o sentimento de vergonha na cara, ou os brios feridos, levaram nosso time a se desdobrar, cada um, correndo por dois. Vi Marquinhos, que até então só tava dando bolinha pra trás e pro lado, dar carrinho e correr como uma criança. Vi Cleison, a maior enceradeira do Arruda (pra quem não lembra de Zinho, na copa de 1994), dar lançamento de três dedos, atacar e defender. Vi Raça, muita Raça. Novamente, voltei a me empolgar. Soltei aquele velho e conhecido grito de quem fica no nosso localzinho nas sociais : "Galega, Cervejaaaaaaaaaaaaaaaaaa!". E, uns 10 minutinhos depois, era Santa 1×0. Gol do artilheiro, herói, bom jogador e batalhador Marcelo Ramos. Depois desse gol, um show de bola. Bola na trave, jogada com triangulações, etc. Porém, a partir daí surge um personagem no jogo. Personagem esse que deveria ser o mais invisível entre os presentes. Surge a figura imponente do Sr. Ricardo Tavares com seu super apito e seus superes cartões. O "Homem de azul" (já que juiz de futebol hoje é fashion, não é mais de preto) começa a levar os três pontos do nosso Santinha. Cleison faz grande jogada pela esquerda, é visivelmente derrubado na área e é Pênaltiiiiiiiii! É nada pessoal, é amarelo pra Cleison por simulação.
 
Fim do primeiro tempo. 1X0, com bola na trave, jogando bem e com raça, com uma menos e sendo roubado. Só me restou uma coisinha a fazer : "Galega Cervejaaaaaaaaa!". Lá vem a resposta : "Acabou, fio". O quê? Por quê? Cerveja Frevo e quente acabar no intervalo???!!! Fiquei arretado, mas, percebi uma coisa. Se a cerveja acabou tão rápido, foi porque veio muito mais gente pro jogo do que era esperado e que estavam todos felizes. Era o Santinha de novo nos dando orgulho.
 
Começa o segundo tempo. Nos 5 minutos iniciais, mais dois pênaltis claros pro Santa. Resultado disso? Mais dois cartões amarelos distribuídos pelo Sr. Ricardo Tavares. Roubo descarado. E, num daqueles lances espíritas que só acontecem contra o Santa, veio o pior. Escanteio para o Serrano. O cara vai cobrar na área e chuta o chão. A bola bisonhamente vai pra fora da grande área a um palmo do chão. Um cara do Serrano pega a bola de primeira de uma maneira que me lembrou Roberto Carlos nos bons tempos no Real Madrid, recebendo um cruzamento de Zidane. Uma bomba e… Gottardi! E que defesa! Mas, rebote pro Serrano, o cara dá um limão a queima roupa e… Gottardi! Outro rebote, outro limão a queima roupa e… Gottardi! Depois disso, só sei que um ou dois chutes depois, empate do Serrano. Inacreditável! Aquela bola entrou.
 
O gol pareceu um soco na cara de cada um dos 9.000 torcedores e de cada um dos 10 jogadores em campo. A partir daí, mais uma reclamação de pênalti não marcado (esse sinceramente acho que até não foi), duas bolas na trave e gottardi pegando tudo. No fim, os Marquinhos, depois de muito correrem, cansaram. Era um homem a menos durante 70 minutos!!! Acaba o jogo 1×1 mesmo. Uma pena. Dois preciosos pontos que praticamente nos tiram do turno. Dois preciosos pontos roubados pelo Sr. Ricardo Tavares. Não que o time tenha sido as mil  maravilhas, aliás, nem apenas uma maravilha o time conseguiu ser. Se olharmos o futebol apresentado, não merecemos sorte melhor. Mas, futebol é decidido em detalhes algumas vezes. E tivemos três pênaltis a nosso favor, descaradamente não marcados. Mesmo sem jogar um bom futebol, eram três pontos.
 
Mas, amigos tricolores, não adianta de forma alguma culpar o juiz. Um time mais ou menos, poderia ter 20 pênaltis não marcados e ainda assim ganharia do Serrano em casa. Estamos num nível muito baixo. Achei até que ontem foi o melhor jogo que vi do Santa esse ano, mas, é muito pouco. Imaginem quando pegarmos Marília, São Caetano, Portuguesa, Vitória, Coritiba, Ponte Preta, etc. Acho que a hora de contratar é agora. Sei que pro pernambucano não dá mais. Porém, se começarmos a contratar quando a série B começar, daqui que os reforços cheguem, sejam regularizados, se entrosem e o time seja montado, teremos 10 rodadas de lapada dentro e fora do Arruda. Aí pode ficar tarde demais para correr atrás do prejuízo.
 
Para finalizar, gostaria de transcrever o comentário de Maciel Júnior ao final do jogo de ontem :
 
“O torcedor do Santa Cruz pode até não gostar, mas se fosse contra “a coisa” o que ocorreu hoje no Arruda, amanhã às 5:00h Homero Lacerda estaria na sede da FPF, com a fita do jogo, para reclamar, faria o maior escarcéu, etc. O Santa Cruz tem de pensar no time e somente na Segundona, mas não pode deixar isso passar em branco.”
 
E, vocês se lembram que falei que a impressão inicial que tive era que o Santa iria detonar, golear, e sair de campo aplaudido de pé? Pois bem, errei que iria detonar, errei que iria golear, mas, o mais importante acertei, acreditem ou não, não sei o que passou na cabeça de cada um, mas, nosso Santinha, mais uma vez, foi aplaudido de Pé.
 
Domingo, todos no Arruda. O Santa precisa de nós. A diretoria precisa de nós. Edinho precisa de nós. E, nós precisamos do Santa.
 
Santa Cruz pra sempre.
 
Manoel Valença

2 Comentários

  1. Artur Perrusi
    1

    Carai! Muito boa a resenha. Parabéns!

  2. Manoel Valença
    2

    Obrigado grande Artur. Que todos os tricolores tenham a esperança que eu, Você e Dimas estamos tendo. Grande abraço e até mais tarde no mundão

Regras de moderação do Torcedor Coral
O Torcedor Coral não se responsabiliza pelas opiniões de seus leitores, mas se reserva ao direitor de excluir, sem aviso prévio, os comentários que:
1. Façam acusações sem provas;
2. Configurem qualquer tipo de crime, de acordo com as leis do país;
3. Contenham ofensas pessoais a quem quer que seja, mesmo que o ofendido seja reconhecidamente um canalha;
4. Defendam ou enalteçam o LEF, pois nós somos liberais, mas nem tanto assim;
5. Utilizem e-mails falsos ou inexistentes;
6. Tenham características de chat ou bate-papo;
7. Copiem textos publicados em outros espaços virtuais, ao invés de publicarem os links das matérias originais.
8. Publiquem sistematicamente os mesmos comentários, repetições de ideias ou opiniões;
9. Publiquem comentários com prevalência em caixa alta, que é o mesmo que gritar na internet;
10. Manifestem intolerância à liberdade de opinião;
11. Tenham características de perseguição a outros leitores;
12. Manifestem, implícita ou explicitamente, mensagens eleitorais, tanto de candidatos a cargos no clube, quanto de partidos políticos;
13. Contenham mensagens abusivas, desagradáveis, ostensivas, cansativas e que não se utilizem de bom senso.

Algumas palavras estão programadas para cair automaticamente na moderação de modo a facilitar o cumprimento das regras. Assim, seu comentário será liberado o mais rápido possível, se for constatado que não houve violação.

O sistema anti-spam do Torcedor Coral, utilizado para evitar malwares ou vírus, ocasionalmente poderá reter indevidamente um comentário legítimo. Também poderão ser retidos indevidamente os comentários que contenham dois ou mais links, pois são através deles que ocorrem ataques ao blog. Tão logo esses casos sejam identificados, os comentários serão liberados.

Lembre-se, o trabalho no Torcedor Coral é realizado de forma voluntária por cada um dos editores, cronistas, moderadores e colaboradores, já que todos atuam profissionalmente em outras áreas. Dessa forma, tenha paciência, caso seu comentário não seja liberado imediatamente.

Para comentar regularmente, o autor deve ter um comentário aprovado anteriormente no Torcedor Coral.

Os casos omissos serão definidos pelos editores do blog.

Responder

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *