O Santa Cruz é “Blues”

robbenford.jpg

 Leonardo Jr.

O Blues é um estilo musical que foi forjado pelo sofrimento. Era o lamento dos Negros na América do Norte, com saudades da terra querida, sofrendo com a escravidão, e depois com perseguição e racismo. Feito este intróito, deixem-me explicar.
 
Na terça-feira (12/06) entrei em contato com o Editor-Mor para explicar-lhe meu sumiço, tentando evitar um desconto salarial (vejam o que o correu com o Artur).  No meio do papo, revelei a ele que não compareceria ao embate contra o escrete azulado:
 
– Como assim? – Perguntou o Editor-Mor.
– Não Vou. Na Sexta tem o Show do Robben Ford!
– Quem?
– Robben Ford! Um Guitarrista de Blues! É uma oportunidade única! O cara não vem muito ao Brasil, e quem sabe se virá outra vez a Recife…
– É justo. – Ponderou um compreensivo Editor-Mor.
– Além do mais, o sujeito precisa ter alguma alegria na vida Léo, já que o nosso Santa…
 
Depois da liberação do Editor-Mor, comprei o ingresso e me organizei para ir ao Show. A empolgação de ver um dos meus guitarristas favoritos contrastava com a angústia e a expectativa do jogo do Santa. Mas encontrei uma solução: combinei com meu irmão que ele ficaria me enviando torpedos com os lances da partida. Perfeito! Ele também não foi ao jogo, pois estava trabalhando, ficaria escutando e me manteria informado.
 
O Show iniciaria às 21h. Retardei ao máximo a minha ida, para acompanhar o início da partida pelo rádio do carro. Nada de importante aconteceu. Cheguei ao teatro, encontrei uns amigos, bati um papo e resolvemos entrar.
 
Mal eu sento na cadeira, o celular acusa o recebimento de uma mensagem. Meu coração bate mais forte:
 
– Gol do São Caetano.
 
Não acreditei. Comecei a imaginar como teria ocorrido esse gol. Lembrei de Dudu e Adriano e temi por mais… A inquietação só aumentava… Algum tempo depois, recebo outra mensagem:
 
– Goooooooooooool do Santa! Piauí!!!!!!!!!!!!! Matador!!!!!!
 
Dei um pulo da cadeira. Quase gritei Gol! Um amigo que estava ao lado levou um susto! Agora sim! – Pensei com meus botões (mesmo usando uma camisa de malha). Vamos virar! Vai ser uma vitória consagradora. Mais algum tempo se passa e outra mensagem. É agora! – Pensei. Mas era uma mensagem da minha esposa. Ela perguntava alguma coisa sem muita importância, e no final do texto, como que numa revelação apocalíptica ela escreve:
 
– Santa 1 x 2.
 
O que?? Como assim? E meu irmão não me disse nada? Liguei na hora pra ele:
 
– Quanto está o jogo?
– 1 x 1 – Ele respondeu.
– Tem certeza?
– Tenho. Estou trabalhando, mas estou escutando.
 
Mais tranqüilo, achei que a minha esposa havia se enganado. Passado mais algum tempo meu irmão me manda outra mensagem, com meu coração quase saindo pela boca mais uma vez:
 
– Me enganei. Está 1 x 2 mesmo.
 
A resposta pra ele é impublicável. E só amenizei porque temos a mesma Mãe. Nesse momento o show começa. Os espectadores são presenteados ao que há de melhor no Blues mundial. O Teatro está cheio, as pessoas estão vidradas no show, e eu, com um olho no peixe e outro no gato (ou melhor explicando, um olho no palco e outro no celular).
 
Não pode existir trilha sonora melhor para sofrer do que o Blues. Um som por vezes melancólico, sabendo que o seu time está perdendo dentro de casa. Caso para depressão profunda!
 
Lá pelas tantas do show… E depois de abrir e fechar o celular umas 4.961 vezes…
 
– Gol do Santa!!!!!!!!
 
Empatamos! Vamos virar! Comecei a imaginar o Arruda Lotado, a torcida gritando, empurrando o time, o time pressionando, o nosso treinador fazendo alterações que embaralhassem a cabeça do treinador adversário, confundindo nosso adversário…
 
E o Blues rolando…
 
O tempo foi passando e nada de mensagem no celular. A angústia foi aumentando, o sofrimento idem. A cada acorde, a cada bend executado por Robben Ford, pensava no Arruda e no jogo. Comecei a fazer contas, tentar imaginar quanto tempo de acréscimo o juiz poderia dar. Não agüentei e mandei uma mensagem pro meu irmão:
 
– Acabou?
 
Depois de 4 longos minutos, a temida resposta:
 
– Treinador Burro! Juiz Ladrão! Acabou.
 
Foi aí que tive certeza. Não existe nada mais Blues do que o Santa Cruz Futebol Clube. Onde sofrimento e esperança saltam pelos poros, levando a massa a um compêndio de alegria e sofrimento, ódio e amor, esperança e frustração.
 
Esse é o Santa Cruz. E até que rima com Blues

20 Comentários

  1. Marcelo Beltrão
    1

    É isso mesmo, Leonardo. Nada mais blues do que o Santa. Também gosto muito de blues. Além de Robben Ford, gosto de B B King, Nuno Mindelis, Eric Clapton, Gary Moore e o falecido Steve Ray Vaughan, que era um monstro. Não existe música mais bonita, no mundo, de que blues. Assim como não existe clube com uma história mais bonita do que o Santa.

  2. massa esse texto,também estva lá no show do roben ford escutando altos blues e ligado no nosso santa cruz. esperava que nosso santinha tivesse ganho para completar minha alegria de estar em um show de grande porte que é inedito em pernanbuco,espero que venham mais bandas legais como jeff healey,otis hush e tantos outros,mas o que eu mais quero é que chegue logo a sexta pois estou com saudades de ver o santa jogar.ainda acredito que charles vai nos dar alegrias,temos que ter paciência e apoiar nosso clube em todas as circustâncias.

  3. insatisfeito
    3

    Agora, vem meu questionamento, esse show de Rubben Ford não poderia ter sido no ARRUDA?
    Imagina quanto não viria para o Clube?
    Saudações Santacruzenses.
    Quem tiver uma solução para esse questionamento, fale com Lulinha e Braga.
    O Arruda pode ser nossa mina de dinheiro.

  4. insatisfeito
    4

    eps, Robben, hehe

  5. Gostei: Santa Blues! E daquele bem chorado, aquela guitarra bem triste e caída. E o momento é de blues mesmo. Inclusive, dava uma torcida organizada maneira… Torcedor Coral é pau! Belo texto: “onde sofrimento e esperança saltam pelos poros, levando a massa a um compêndio de alegria e sofrimento, ódio e amor, esperança e frustração”. Lorde, poeta e bluseiro. A alma de Léo tem rasgos de melancolia!

    Inspirado em Léo, acho que vou fazer um texto juntando Handel e Santinha: imaginem, o “Messiah” (só pode ser Charles, claro), e Edinho e Fred Arruda cantando o Hallelujah!

  6. Manequinha
    6

    Grande Léo,

    Adorei teu texto e senti na pele tua angústia, pois, passei por isso várias vezes dando aulas. Não existe jeito pior de acompanhar o jogo que por mensagem via celular.

    Parabéns pelo texto e só espero que sempre sejamos Santa Blues, nunca Santa Chorinho

  7. insatisfeito
    7

    Galera tricolor; Alguém sabe como estão indo os treinos do Santinha para o jogo com o Paulista? O time tá aqui ainda ou já foi para Sampa? Quem joga no ataque? Miro e Marco Antônio, Miro e Thiago ou Marco Antônio e Thiago? Quem ficou na Lateral esquerda? Hugo ou Carlinhos?
    Respondam-me, porque o Coralnet não sabe….
    Saudações santacruzenses. Tricolor até a gatinha manhosa é.

  8. insatisfeito
    8

    Manequinha: tem. Alguém já acompanhou jogo pela internet?
    Experimente.

  9. insatisfeito
    9

    Leonardo, com a sua licença, esse texto vai virar música; depois mostro.

  10. Leo,

    “Não existe nada mais blues do que o Santa Cruz”, isso é coisa de poeta! E não existe mesmo!

    Somos forjados pelo sofrimento, porque não somos blue, na cor singular, mas plurais, talhados pela dor e pela tristeza. Não só as alegrias marcaram a nossa trajetória, mas também deixaram marcas a tristeza blue e a alma soul. Tudo isso faz parte do nosso caminhar e transparece em cada sorriso e em cada lágrima.

    Essa tristeza, um tanto nostálgica, visto nossa saudade dos anos 70 comparada aos dias atuais, há que se dissipar e, nos anos vindouros, dará lugar a uma sonoridade mais alegre, como o frevo, que marcará o ritmo de uma nação contente que superou as agruras que tornaram nossos corações tropicais cobertos de neve.

    Ainda assim, o blues ficará em nossos corações, como a lembrança de um tempo de dor que consiguimos deixar para trás.

    Este ano é um marco, um divisor de águas, pois ele será o primeiro ano do resto de nossas vidas.

    Saudações corais,

    Dimas Lins

  11. milton pereira
    11

    A diretoria do Santa Cruz devia perguntar aos jogadores: Quem mais vai se “machucar” para não ir jogar fora ? A mim esses mercenários não enganam ! Reparem que quem mais se “machuca” são os tido como titulares. O Santa devia fzer cono fez em 1999 : Colocar as “panelinhas” para fora e uar somente os pratas da casa, pois perder sem jogar com determinação e só pensando em sí, é preferível jogar com o prata da casa, que jogaram com determinaçao em 1999 e venceram até o favoritíssimo São Caetano té no Sul. Não foi ?

  12. milton pereira
    12

    Ops! …usar somente os prata da casa. Agora apareceu outro : Russo. A coisa está ele: russa!

  13. Beleza de texto, Leonardo. E o negócio está ficando mais “blues” ainda, pois a blindagem do elenco, garantida pela folha em dia, está se desfazendo. Já são nove dias de atraso e, caso não se chegue a um acordo amanhã na Justiça do Trabalho, o canal do Arruda pode virar um verdadeiro Mississipi.

    Eu sou apaixonado por música(blues, inclusive). Porém, desisti de ir ao show e perdi os trinta reais aplicados na compra do ingresso. Mais uma vez eu senti que não conseguiria aproveitar a noite e seria uma tortura ficar sem saber o que estaria se passando no Arrudão. O coração ficou dividido, e prevaleceu o Santinha. Só não sei até quando eu vou continuar a fazer esse tipo de coisa.

    Desnecessário dizer que tá todo mundo me chamando de “doente”, fanático, e o coro de “interna! interna! interna!” está aumentando.

    Saudações tricolores!

    PS: Artur, Charles de “Messiah” é sacanagem. Händel deve estar revirando no túmulo.

  14. Isly Ximenes
    14

    Meu marido é o máximo! E o pior é que ele sofre mesmo… mesmo ao som do blues!!!!!!!!!!!!!

  15. Isly,

    Bem-vinda ao blog! Estou com inveja de Léo, pois minha esposa lê os textos, mas ainda não se manisfestou aqui!

    Meu reino por um comentário da minha esposa!

    Saudações corais,

    Dimas Lins

  16. Isly Ximenes
    16

    Pois é, Dimas… mas com um marido desses, que só me dá orgulho, eu não posso me conter.. inda mais vendo os dotes “literários” dele crescerem ainda mais!!! heheheheheh Me divirto com isso… Sem falar que quando ele não pode assistir os jogos, sou a ‘informadora oficial do placar” pra ele.. hehehehe
    É o santinha… já que não posso com ele, juntei-me a ele!!!!!!
    Abraços!

  17. Leonardo Jr.
    17

    Rapaz,

    O comentário do Editor-Mor tá melhor que o meu texto! Fala sério!

    Muito bom saber que temos outros apreciadores de Blues aqui no Blog! Inclusive, poderíamos sugerir a Lulinha uma banda de Blues para uma das próximas “Sexta Santa”. Que tal?!?

    Queria agradecer a participação nada Imparcial da minha linda esposa, que tem que me aturar com toda a paciência do mundo…

  18. Eurico guitarrista Coral
    18

    Meu destino foi o Arruda…
    Sou professor de guitarra…
    Fui convidado por um aluno pra ir ao show do Robben..
    Mas tava marcado pra tocar num E.C.C as 20:00 da sexta…
    Na mesma sexta tudo foi desmarcado…Ai fui ao Arruda…
    O Santa tava um blues muito down…
    Alguns momentos lembrei do Robben..bends..vibratos…etc…
    O Santa Cruz foi o meu centro tonal…
    Santa Cruz e Blues? yeahh!

  19. Leonardo Jr.
    19

    Eurico, esses dias marcamos uma JAM, hein!?

  20. Eurico guitarrista Coral
    20

    Tá valendo vei…Minha banda se chama Tarrafas… música regional e fusão.Estamos gravando um cd demo posto que a banda é nova.estudo música na Federal e sempre vou pra sede assistir aos jodogs do Santa no telão.Você tem banda?Saudações tricolores e sucesso com o blog…

Regras de moderação do Torcedor Coral
O Torcedor Coral não se responsabiliza pelas opiniões de seus leitores, mas se reserva ao direitor de excluir, sem aviso prévio, os comentários que:
1. Façam acusações sem provas;
2. Configurem qualquer tipo de crime, de acordo com as leis do país;
3. Contenham ofensas pessoais a quem quer que seja, mesmo que o ofendido seja reconhecidamente um canalha;
4. Defendam ou enalteçam o LEF, pois nós somos liberais, mas nem tanto assim;
5. Utilizem e-mails falsos ou inexistentes;
6. Tenham características de chat ou bate-papo;
7. Copiem textos publicados em outros espaços virtuais, ao invés de publicarem os links das matérias originais.
8. Publiquem sistematicamente os mesmos comentários, repetições de ideias ou opiniões;
9. Publiquem comentários com prevalência em caixa alta, que é o mesmo que gritar na internet;
10. Manifestem intolerância à liberdade de opinião;
11. Tenham características de perseguição a outros leitores;
12. Manifestem, implícita ou explicitamente, mensagens eleitorais, tanto de candidatos a cargos no clube, quanto de partidos políticos;
13. Contenham mensagens abusivas, desagradáveis, ostensivas, cansativas e que não se utilizem de bom senso.

Algumas palavras estão programadas para cair automaticamente na moderação de modo a facilitar o cumprimento das regras. Assim, seu comentário será liberado o mais rápido possível, se for constatado que não houve violação.

O sistema anti-spam do Torcedor Coral, utilizado para evitar malwares ou vírus, ocasionalmente poderá reter indevidamente um comentário legítimo. Também poderão ser retidos indevidamente os comentários que contenham dois ou mais links, pois são através deles que ocorrem ataques ao blog. Tão logo esses casos sejam identificados, os comentários serão liberados.

Lembre-se, o trabalho no Torcedor Coral é realizado de forma voluntária por cada um dos editores, cronistas, moderadores e colaboradores, já que todos atuam profissionalmente em outras áreas. Dessa forma, tenha paciência, caso seu comentário não seja liberado imediatamente.

Para comentar regularmente, o autor deve ter um comentário aprovado anteriormente no Torcedor Coral.

Os casos omissos serão definidos pelos editores do blog.

Responder

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *