Acho que estou ficando velho

Pintura: Tempestade, óleo sobre tela, de Guilherme Faria
A tempestade II

Sou de um tempo em que íamos a um jogo do Santa contra um time pequeno para assistir ao desenrolar de um drama com roteiro previsível: retranca feroz do pequeno para evitar tomar uma goleada. Não raro essa tática não funcionava e presenciei diversas goleadas. Os tempos são outros, dirão alguns; o futebol mudou, não há mais times inocentes, falarão outros. É verdade, é verdade… O jogo de ontem contra o Sete de Setembro foi mais uma prova.

A partida foi melancólica. Ruim de doer. O Santa marcava o Sete em seu campo defensivo, o que possibilitou ao time visitante  ter maior posse de bola durante vários momentos da partida. Não pressionava, não marcava sob pressão. Fechou-se em copas, tática do garrafão, “precavido”. “Os tempos são outros…” Mas o problema é que o brioso time da Suíça pernambucana é horrível! Daí estabeleceu-se um circo de horripilâncias.

Nossa torcida – definitivamente heroica, agregando-se numa soma superior a 12 mil espectadores, lógico, impacientava-se. Então, como é usual em qualquer torcida, elege um atleta para Cristo. Ontem o eleito foi Hélder. O coitado jogou tão mal quanto qualquer outro… Azar o dele. Todo mundo tem seu dia de bode expiatório. E choveu maldições e xingamentos contra o time. Pessoas até então tranqüilas revelaram-se agitadores incendiários. Diminhas, nosso Dimas Lins, por exemplo, que envergava no braço uma espécie de relógio gigante, um equipamento dos mais modernos, o qual toca rádio, TV e mesmo DVD, caríssimo, adquirido em uma de suas viagens a New York, estava indomável. Revoltado contra a atuação de Pedro Henrique, quase arremessa o suntuoso material na cabeça do atacante. Foi contido pelos demais membros do clã, que em uníssono pediram calma e lembraram do risco de perdermos algum mando de campo.

Se a partida já estava uma droga, estragando a noite repleta de expectativas e esperanças, faltava chover. Pois eis que desaba um dilúvio capaz de submergir 10 Noéis e suas arcas… Por outro lado, evitou-se que algum desavisado dormisse. Ninguém dorme sob uma tormenta daquelas. De repente clarões rasgam o espaço. Relâmpagos e raios enfurecidos. Ao meu lado um homem comenta: “Uma porra dessas não cai na cabeça de Gobato, esse miserável”. A raiva era grande, logo se percebia. Um outro camarada, ouvindo esse primeiro, emendou: “Cai nada. Uma cabeça de formiga dessas… A cabeça do cara é do tamanho de uma castanha… Não cabe nem piolho ali”.

Eu, em minha modéstia, pedi a Deus que acelerasse o tempo. Já havia me sacrificado demais. Ensopado feito um sapo, temia o gol do empate do alvi-esmeraldino da serra. É verdade que chegávamos no contra-ataque? É sim. É verdade. Mas reparem: nos contra-ataques! Os velhos tempos não voltam mais, pensei. Lembrei-me de Léo, um ausente temporário desse blog que faz muita falta, e de sua melancolia resignada: “não torço para um time que joga assim. Acho que vou virar um simpatizante”. Quem conhece Léo sabe que o lamento é da boca pra fora e as palavras – que não são más e nem quentes – devem ser entendidas como desabafo.

Final do jogo (amém!). 1 x 0. Nas entrevistas de vestiário a célebre frase, o que vale são os 3 pontos. Nas arquibancadas, vaias. Em todos um travo amargo, uma desconfiança imensa sobre a capacidade da equipe, e o fantasma do Americano que já começa a rondar as cercanias do Arruda. E Marcelo Ramos – todos perguntavam – como é que ele está? Vai jogar? Com o corpo encharcado e gelado e o coração miúdo, deixei o Colosso devagar.

Sentia frio e uma enorme, enorme mesmo, saudade de ver o Santa jogar bem. Ah, os tempos de outrora!

34 Comentários

  1. O jogo de ontem foi de doer. Havia muita chuva, havia, mas o gramado estava impecável. Nem parecia que o mar desaguava no Arruda. Não tinha uma poça d’água sequer.

    Brincadeiras à parte do nosso amigo Geó, não esculhambei nenhum jogador durante a partida. Aliás, embora defenda o direito inalienável de manifestação espontânea do torcedor – para o bem ou para o mal – dói um pouco na alma os excessos da torcida. Passam-se os anos e não me acostumo a isso.

    Não fiquei com a impressão que faltou vontade. Acho mesmo que faltou futebol. tivemos umas boas enfiadas de bola de Gobatto e Elder, embora um e outro não estivessem bem, como de resto não esteve todo o time. William, coitado, não tem a mínima condição de vestir a camisa coral.

    Roger mostrou que tem espaço neste time e Pedro Henrique decepcionou. Soube depois que ele passou mal durante o dia e até vomitou. Talvez fosse o caso de ficar no banco então.

    No mais, faltava muita coisa ainda nesse time e falta meio-campo. Só a torcida que não falta nunca.

    Parabéns a todos que estiveram lá, pois a chuva não estava para brincadeira.

    Saudações corais,

    Dimas Lins

  2. Ana Cláudia
    2

    Em meio ao caos, ao menos uma boa notícia: a volta do Poeta Geó nas crônicas do TC.
    Dimas, no próximo jogo vê se não esquece de tomar seu prozac antes de sair de casa!

  3. Eduardo Ramos
    3

    Dimas, será que você não se referiu ao péssimo Wagner? Josias está correto sobre a tática bunda-na-parede que já comentei no blog do Santinha, inclusive na goleada contra o Serrano.

    Penso que Wagner já deveria ter sido sacado há muito tempo pois é um sansuessuga perdido em campo.

    Pedro Henrique teve uma forte infecção intestinal, daí, seu fraco desempenho.

  4. Fabiano Pinheiro
    4

    Se o time da suiça pernambucana é horrível, o que dizer do nosso representante na libertadores que não passou – jogando também em casa – do mesmo 1×0 que nós (mas sem gol anulado)? O que dizer dos nossos adversários na série C e D?
    O que dizer de Palmeiras que está no nível destes? e o São Paulo também? E o Real Madrid, Chelsea, Milan???????????????
    É tudo horrível como o Sete de Setembro????
    Quero ser horrível assim….

  5. Bosquímano
    5

    Danou-se, Fabiano, nao entendi nada. De garanhuns a Madrid, passando por londres e milao, com escala em sp…

    Tomasse o que? eu quero! eu quero!

    hahaha

    Saudaçoes tricolores.

  6. Eduardo, me referi a William mesmo, que entrou no segundo tempo.

    Fabiano, juro que de seu comentário só entendi que você discorda, mas está valendo. hehehe

    Saudações corais,

    Dimas Lins

  7. Fred Esaú
    7

    Na minha modéstia opinião, não pude ir ao jogo ontem, o que faltou foi finalização, se Thomas Anderson tivesse feito um golzinho, e Roger tivesse feito aquele golaço estavamos todos felizes da vida.

    E concordo com Dimas, não consigo me acostumar com esse negócio da torcida vaiar o time. Pior ainda quando ele ganha.

  8. Fred Esaú
    8

    Digo, modesta. Hehehehe. Eu no Português tô tropeçando como o ataque do Santinha ontem.

  9. André Lins
    9

    Não muito tempo estávamos dizendo em nossos comentários no blog que o mais importante era tirarmos o Santa da situação que estava, TIRAMOS.

    Não faz muito tempo estávamos dizendo no blog que o mais importante era classificarmos para a quarta divisão do brasileiro, IREMOS CLASSIFICAR.

    Não faz muito tempo estávamos dizendo que o mais importante era não perder para a Coisa, NÃO PERDEMOS.

    Não faz muito tempo estávamos idolatrando todos os jogadores do Santinha pela raça e pelo empenho, TODOS ELES TEM VONTADE.

    O que eu não entendo é a mudança de atitude de alguns torcedores que acham que deveremos ter um timaço já. Será que vocês não sabem que ficaremos cerca de dois meses parados após o campeonato pernambucano? Que grande jogador quer vir para o Santa nessas condições? O que temos é um time de estivadores com algumas exceções e que irá junto conosco soerguer o nosso Clube.

    Por isso peço aos ilustríssimos torcedores comentaristas que se não for para apoiar não vá a campo, pois nossa tarefa como torcida é apoiar todo o momento e sempre para que o Santa volte ao seu lugar de direito.

    Abraços de um TORCEDOR do SANTA CRUZ.

  10. Hahaha, esse texto do poeta Géo tá uma onda! Poesia pura essa expressão: o clã em uníssono… Em uníssono, pode-se fazer qualquer maldade. Fizeram o que com Diminhas? Já tô com pena do Editor_mor.

    Difícil esse jogo contra o Americano. Será de lascar.

  11. Eu também Geó…Eu também…

    veremos o que acontece na Quinta.

  12. Robson/Piauí
    12

    Pessoal, e o lateral Parral? Ouvi o jogo pela CBN e a impressão que tive era que o cara não acertava um cruzamento.

  13. Eduardo Ramos
    13

    Dimas, então são 3 (três) péssimos: Adilson, Wagner e Williams.

  14. Fábio Belmino
    14

    Interessante a análise do cronista Geó, jogo uma porcaria time marron..

    mas desviando o assunto confesso que estou mal informado sobre como andam algumas coisas no Santa Cruz, senão vejamos:
    – Como anda a questão do CT, do futsal e os contratos dos juniores?
    – A Santa Cruz S.A? não que eu me importe com esse ponto em questão se irão criar a S.A ou não , estou pouco me lixando quero é ver o patrimônio, a torcida e o time crescendo.
    – A reformulação do estatuto?
    – A loja do clube e a reforma exterior?

    Como digo inicialmente no meu comentário, tenho lido pouco sobre o Santa Cruz ou então estas questões não estão se tornando públicas. Infelizmente não tenho o privilégio do esditor-mor deste blog de ser extremamente bem informado e poder aconselhar FBC e Cia. kkkkkkkkkk

  15. Rapá, entendi o que Fabiano falou. O Milan, com toda a sua constelação não ganha nem torneio-início. É o campeão mundial mais xinfrim que já vi. O Palmeiras levou uma lapada hoje, no Palestra, do Quero-colo, que perdeu da coisa, que só não perdeu pra gente por sorte deles. O Resende eliminou o Flamengo, mas levou uma surra do Bota, que vive apanhando do Mengo. Ou seja, é impossível prever algo racionalmente, hoje em dia, no futebol. Um Nego Pai pode destruir um Real Madrid, que não joga nada há anos.
    SIMBORA SANTA, nem que seja de 1 a 0 em 1 a 0, contra o 7 de setembro ou o 8 de agosto.

  16. Tiago Maranhão
    16

    André, concordo com muito do que você escreveu, mas precisamos por um fim a essa falácia que a imprensa coisocêntrica criou de “classificação para a série D”. Como se não bastasse o bom senso, existe uma certa Lei (porque no país do Clube dos 13, como se sabe, precisamos de leis para garantir a executoriedade do bom senso) de número 10.671, de 2003, a.k.a. “Estatuto do Torcedor”, que determina o seguinte:

    “Art. 10. É direito do torcedor que a participação das entidades de prática desportiva em competições organizadas pelas entidades de que trata o art. 5º seja exclusivamente em virtude de critério técnico previamente definido.

    § 1º Para os fins do disposto neste artigo, considera-se critério técnico a habilitação de entidade de prática desportiva em razão de colocação obtida em competição anterior.

    […]

    § 3º Em campeonatos ou torneios regulares com mais de uma divisão, será observado o princípio do acesso e do descenso.”

    Ora, o Campeonato “Brasileiro” possui mais de uma divisão, correto? Então, pelo critério técnico baseado na colocação obtida em competição anterior (§ 1º), e considerando ainda que no torneio em questão deve ser observado o princípio do descenso (§ 3º), é DIREITO SEU, MEU E DE TODOS OS INTEGRANTES DA TORCIDA MAIS APAIXONADA DO UNIVERSO CONHECIDO, a participação do Santa Cruz FC na lama do fundo do poço chamada Série D.

    O que acontece é que a sociedade coisocêntrica acha pouco a posição humilhante em que fomos parar e se aproveita de uma credulidade inata das maioria das pessoas para tripudiar só mais um pouquinho.

    Amanhã estarei no Bezerrão, com a camisa da LDU que ganhei de um amigo equatoriano, assistindo ao primeiro confronto que decidirá o nosso adversário na próxima fase da Copa do Brasil. Porque, sim, passaremos pelo Americano.

  17. Fabiano Pinheiro
    17

    Hilton, matasse a pau!

  18. Bosquímano
    18

    Discordo, tanto do nobre Hilton, quando do nao menos nobre Fabiano (voltando a ser otimista) Pinheiro. É possível prever algo racionalmente no futebol sim. O que é impossível é acertar sempre as previsoes, afinal, se até mae dinah errou, pq eu nao posso errar tb. Além do mais, o futebol é uma caixinha de surpresas.

    O problema do comentário de Fabiano, é que nivela tudo por baixo. Faz a brincadeirinha do sofisma.

    “Deus é amor, o amor é cego, Steve Wonder é cego, logo, Steve Wonder é Deus
    Disseram-me que eu sou ninguém, ninguém é perfeito, logo, eu sou perfeito.
    Mas só Deus é perfeito, portanto, eu sou Deus, se Steve Wonder é Deus, eu sou Steve Wonder!!!!
    … Meu Deus, eu sou cego!!!.”

    Mas concordo com o Hilton em um ponto. 1×0 pra mim é goleada!

  19. Vamos lá.
    Caro André Lins: o texto é uma crônica bem-humorada do jogo da segunda. E só. Existe hoje entre alguns tricolores a ideia de que qualquer crítica ao time, é um crítica ao clube, e à nova gestão. Não penso assim. Continuo apoiando a gestão FBC (embora meu compromisso não seja com ele nem com ninguém; apenas com a grandeza do Santa), mas negar a falta de qualidade da equipe é derrapar para o auto-engano. Aliás, você próprio reconhece a fraqueza do time, quando chama os jogadores de estivadores… Foi apenas disso que falei no texto.
    Agora quanto às metas elencadas por você, permita-me um comentário. Apenas a primeira – que devemos tirar o Santa da posição que ele estava – sustento. Até porque é um obviedade! Mas desde sempre venho dizendo: devemos lutar para jogar a série C; não faço a menor distinção pelo Sport. Aliás, acho que essa importância dada ao Sport por parte de nossa torcida deprimente. Preferia perder todo ano para eles e ser campeão. Ficar orgulhoso por não perder para o Sport é patético, pequeno, rídiculo. O Santa é mais do que isso. Por fim, sempre disse que não bastaria um time “com vontade”. Embora saibamos das dificuldades, da situação de penúria do clube, o time do Santa deve jogar sempre para vencer, jogos e campeonatos. Daí, tem que se ter vontade e qualidade. Nunca vou deixar de pensar no Santa como um time grande. Podemos, no estadual, até chegar em terceiro (não admito menos que isso), mas a mentalidade tem de ser de clube grande e vencedor.
    Por fim, a crônica não é de todo realista. Dimas não vaiou, ou xingou o time. Nem eu. Boa parte da torcida o fez, infelizmente. Quer se queira ou não, repetindo-me, a racionalidade no futebol passa por vitórias. Para soerguermos o clube, temos de voltar a sermos ganhadores.

  20. Caro Fabiano e Hilton, penso diferente. Futebol para mim é Santa Cruz. Se todos esses times estiverem jogando muito mal e o Santa também, o que importa pra mim é a ruindade do Santa. Mas, temos que forçosamente reconhecer que Milan, Sport, Palmeiras, Chelsea têm sido campeões de campeonatos importantes… Nós, até agora, vamos jogar a série D nacional. Não há a menor possibilidade de comparação!!
    Eles “jogam mal” e disputam títulos mumdiais, UEFA, Libertadores… Já a gente….
    Acho bom cuidarmos de nosso quintal.

  21. É, Bosquímano, dizer que nada é previsível hoje, no futebol, é exagero. Mas fico pensando, se tivéssemos o plantel e os resultados que o Milan ou o Real têem, alguém já estava morto. O treinador, um torcedor, um jogador ou um diretor. A gente sofre, quer o melhor pro Santinha, mas estar à frente do Náutico no PE09 já é melhor que a encomenda. O problema é o nosso complexo de grandeza. Já fomos (somos) grandes e não aceitamos esta magreza de vitórias. E como sou complexado – e feliz é o doente que se conhece -, amanhã estarei lá, com meu saco de palavrões e gritos, para empurrar o Santa e comer o bauru, aliás, americano. Porque achei que em 2009 nem time teríamos. Ou seja, tá bom demais, mesmo mais ou menos.

  22. A propósito, esta lera do sofisma é muito hilária. Hahahahahaha. O final, então:
    – Meu Deus, eu sou cego!!!!
    É pura arriação.

  23. Amigos,

    Por uma falha na configuração do gerenciador de conteúdo, possivelmente cometida por mim, vários comentários caíram na moderação. Corrigi o erro e espero que isso não ocorra mais.

    Saudações corais,

    Dimas Lins

  24. André Lins
    24

    Caros amigos, concordo com vocês no tocante que deveremos lutar para estarmos na série C, mas não acredito que isso aconteça por questões políticas, concordo que sempre devamos colocar o Santa sempre como um Clube Grande do Brasil, apesar de no momento só termos o nome e não a posição, concordo também que preferia perder para a Coisa e ser campeão todo ano, mas com a diferença financeira de hoje precisamos primeiro nos arganizar estruturalmente para que essa diferença não faça tanto efeito, só não concordo que parte da torcida vá aos jogos vaiar alguns jogadores por falta de qualidade técnica, não é o momento, se o time é fraco tecnicamente é um time de macho que tem vontade e aos poucos a Diretoria vai moldando o mesmo. Nesses próximos dois anos temos que ser um pouco masoquista e achar, como alguns escreveram no Blog, que 1X0 é goleada. Por isso peço aos torcedores que só incentivem, mesmo em momentos difíceis do jogo, pois como vocês acham que o Thomas Anderson se sentiu quando perdeu o gol e foi vaiado, acabou com o menino e até o gol legítimo dele foi anulado. Não quis ser grosso com vocês apenas pedi apoio eterno e sem restições ao nosso Time, vamos quinta e domingo incentivar do primeiro ao último minuto e caso não consigamos a classificação na quinta, EU ACREDITO QUE CLASSIFICAREMOS, vamos apludir o time para que os jogadores veja que estaremos com eles em todos os momentos, os felizes e os tristes.

    Abraços,

  25. André, não acho que você tenha sido grosso com ninguém. Escrevi o comentário, pois me ocorreu de que nem todo mundo entenderia (já que não me conhecem pessoalmente) o caráter de certa brincadeira (com Dimas, por exemplo) que o texto traz.
    Concordo contigo plenamente quanto ao apoio ao time. A gente sabe que o time tem a qualidade que é possível ter nas atuais circunstâncias. Não é a melhor possível? Não. Mas daí a ir a campo vaiar e esculhambar tem uma grande distância. Como disseste, temos que ir a campo empurrar o time no grito, para na raça conseguirmos as vitórias.
    Outro ponto legal que levantaste: por que boa parte de nossa torcida tem tão pouca paciência com a prata de casa? É incrível! Thomas Anderson mal entrou no jogo e já tinha gente metendo o pau! Um cara do meu lado, chegou a dizer: “Pode jogar fora esses prata de casa todinhos”. Um troço maluco… Se formos reparar, e sabendo que Pedro Henrique não reunia muitas condições de jogo, Thomas quando entrou deu uma boa movimentação. Tanto que chutou bola na trave, fez gol etc. É uma pena esse comportamento contra os meninos.
    Mas vamos ao Arruda amanhã. E mostrar que os americanos estão em baixa na economia e no futebol!

  26. André,

    Como você, também não gosto do tratamento que alguns torcedores dão aos jogadores ou a comissão técnico durante a partida. Entretanto, como disse em comentário anterior, defendo o direito inalienável do torcedor se manifestar – para o bem ou para o mal – diante da atuação do time. Torcedor é passional e não há como evitar isso. É claro que a manifestação que defendo está dentro dos limites da civilidade.

    E concordo com Geó. Não vejo razão para que o time não possa receber críticas. Acho, inclusive, natural. É preciso apenas compreender as ressalvas necessárias às circuntâncias. Mas não acho o time, ou mesmo a diretoria, intocável.

    Por fim, acredito que nem toda crítica coloca o crítico como adversário. Às vezes, ele um papel mais importante do que um parceiro direto.

    Mas compreendo bem suas intenção e a linha do seu raciocínio.

    Saudações corais,

    Dimas Lins

  27. insatisfeito
    27

    André Lins, troféu marcelo bebeltrão pra tu! Uma cabeça de cobra toda com enfeites andinos!

  28. André Lins
    28

    Então vamos ao Arruda buscar essa classificação,

    Abraços,

  29. Amanhã, estarei lá no Mundão. Apoiando o time, querendo que ele vença e não se afobe, porque em jogos que se começam perdendo por 2 a 0, a afobação e o nervosismo tomam conta da torcida e do time. E se a gente toma mais um gol, teremos que fazer mais dois.
    SIMBORA SANTA!

  30. Quer dizer, então, que o suposto uníssono, que Dimas recebeu, era uma brincadeira?! Não se faz uníssono como antigamente. Aliás, Géo banalizou o uníssono, tornando-o uma mera brincadeira. Acho isso tão revoltante quanto vaiar o time.

    Eu não vaio o time, mas concordo com Dimas: vaia e/ou aplauso fazem parte dos “direitos” do torcedor. Afinal, jogador de futebol não é gata de madame, uma criatura psicologicamente frágil e que, coitado, ficará deprimido com um vaia. A vaia faz parte da profissão do jogador. Faz parte de seu processo de amadurecimento.

    Mas tem um gesto que julgo abominável e que detesto (aqui, acho uma total incompreensão do torcedor): vaiar prata-da-casa. São nossos meninos, carai, temos que apoiá-los. São nosso espelho.

  31. insatisfeito
    31

    Fabiano Edilson de Souza Menonça Pinheiro, fosse a musa inspiradora da cobra venenosa dessa postagem!

  32. Paulo Aguiar
    32

    Geó,

    Seu texto está muito bom!
    E, seus comentários, depois, qualificam ainda mais.

    Tenho um ponto de concordância extremo: “Ficar orgulhoso por não perder para o Sport é patético, pequeno, rídiculo”, quando isso, está associado a não ganhar títulos! Do que adianta termos ganhos mais jogos na década? Preferia ter perdido no arruda e depois ver o time jogar bola e ser campeão!!!

    Tenho um ponto de discordância ao extremo: “Mas daí a ir a campo vaiar e esculhambar tem uma grande distância”. Retirando a palavra “esculhambar”, eu sempre vaio o time quando acho que há falta de vontade. Na segunda, eu vaiei. No jogo contra o vitória, também. Na minha opinião não se deve vaiar durante o jogo, mas ao final do jogo, não tem problema algum. É um direito nosso para que um dia possamos aplaudir o time. Indescrimidamente, seja adulto, jovem, prata de casa … treinador… presidente. Não vejo mal algum nisso. Não vaiar é apoiar irrestritamente.

  33. Bosquímano
    33

    Geó, tenho um ponto de disconcordância extremo: tudo isso que o Paulo falou. Disconcorcdo de/com tudo.

  34. Bom dia

    Peço-lhe que retire deste seu site o meu quadro “tempestade no mar” (http://pwp.netcabo.pt/madalenamo/images/TEMPESTADE%20NO%20MAR.JPG).
    Tenho direitos de autor.

    O meu site:http://pwp.netcabo.pt/madalenamo/index.htm

    Koné’s Gallery

    Nota da redação:
    Retirada a imagem original deste artigo a pedido do autor.

Regras de moderação do Torcedor Coral
O Torcedor Coral não se responsabiliza pelas opiniões de seus leitores, mas se reserva ao direitor de excluir, sem aviso prévio, os comentários que:
1. Façam acusações sem provas;
2. Configurem qualquer tipo de crime, de acordo com as leis do país;
3. Contenham ofensas pessoais a quem quer que seja, mesmo que o ofendido seja reconhecidamente um canalha;
4. Defendam ou enalteçam o LEF, pois nós somos liberais, mas nem tanto assim;
5. Utilizem e-mails falsos ou inexistentes;
6. Tenham características de chat ou bate-papo;
7. Copiem textos publicados em outros espaços virtuais, ao invés de publicarem os links das matérias originais.
8. Publiquem sistematicamente os mesmos comentários, repetições de ideias ou opiniões;
9. Publiquem comentários com prevalência em caixa alta, que é o mesmo que gritar na internet;
10. Manifestem intolerância à liberdade de opinião;
11. Tenham características de perseguição a outros leitores;
12. Manifestem, implícita ou explicitamente, mensagens eleitorais, tanto de candidatos a cargos no clube, quanto de partidos políticos;
13. Contenham mensagens abusivas, desagradáveis, ostensivas, cansativas e que não se utilizem de bom senso.

Algumas palavras estão programadas para cair automaticamente na moderação de modo a facilitar o cumprimento das regras. Assim, seu comentário será liberado o mais rápido possível, se for constatado que não houve violação.

O sistema anti-spam do Torcedor Coral, utilizado para evitar malwares ou vírus, ocasionalmente poderá reter indevidamente um comentário legítimo. Também poderão ser retidos indevidamente os comentários que contenham dois ou mais links, pois são através deles que ocorrem ataques ao blog. Tão logo esses casos sejam identificados, os comentários serão liberados.

Lembre-se, o trabalho no Torcedor Coral é realizado de forma voluntária por cada um dos editores, cronistas, moderadores e colaboradores, já que todos atuam profissionalmente em outras áreas. Dessa forma, tenha paciência, caso seu comentário não seja liberado imediatamente.

Para comentar regularmente, o autor deve ter um comentário aprovado anteriormente no Torcedor Coral.

Os casos omissos serão definidos pelos editores do blog.

Responder

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *