Santa Cruz Futebol Clube – 100 Anos de Paixão

Santa Cruz Futebol Clube – 100 Anos de Paixão

Há exatos 100 anos, em 03 de fevereiro de 1914, éramos apenas onze corações movidos por uma quebra de paradigma em Pernambuco: fazer de um esporte praticado por ingleses, elitista, um meio de inclusão social e racial. Estudantes de um dos colégios mais tradicionais da capital, que faziam do pátio de uma igreja um local abençoado para jogar futebol, foram os responsáveis por esse pontapé inicial, na Rua da Mangeira, nº 2. Dentre os rapazes brancos, um negro de apelido Lacraia, jogador e criador do escudo mais singular do país. Por pouco, o sonho dos rapazes não passou de uma ideologia. Já, em dívidas, sem dinheiro para comprar o material dos jogos, pensou-se em recolher todo o dinheiro arrecadado até então e trocá-lo por uma simples máquina elétrica de caldo-de-cana. Esse seria o fim de uma história restrita aos onze rapazes. Mas, em um ato regado de emoção e incredulidade, um dos rapazes se levanta, esmurra a mesa, e diz o que todos queriam dizer: “O Santa Cruz nasceu e vai viver eternamente”. E, assim, renascia pouco antes de nascer o Santa Cruz Football Club, para sempre e para todos. Sua rica história relata a primeira vitória de um time nordestino sobre um time do Sul/Sudeste, a primeira vitória de um clube do Brasil a vencer a Seleção Brasileira, o título de Fita Azul do futebol brasileiro, o líder de público nas quatro divisões do futebol do País. Aos criadores, logo se juntaram tantos outros. De início, os excluídos formavam o “Time do Povo”. Em seguida, o sentimento foi arregimentando gente de diversas classes sociais, gêneros e raças. Juntos, desprovidos de qualquer vaidade, preconceito ou discriminação, “o Mais Querido” foi agregando novos corações e escrevendo novos capítulos dessa história de amor. Amor que superou mais de uma década para levantar uma taça de Campeão Pernambucano e que sobreviveu de uma excursão suicida ao Norte do País. Amor geneticamente imperceptível que passa por gerações, mas visível nas cores preto, branco e encarnado das camisas vestidas por Ilo Just, Tiano, Walfrido, Tará, Zequinha, Ramón, Givanildo, Luciano, Fernando Santana, Nunes, Ricardo Rocha, Rivaldo e uma legião de amantes nas ruas. Simbolizado pela cobra coral, desde 1914, o sentimento Santa Cruz tornou-se a incompreensão mais popular de Pernambuco. Do sonho singular de Aristófanes de Andrade apoiado por José do Rego Maciel à materialização do inglês James Thorp, o Arruda passou a ser o livro da descrição de...

Leia Mais

Junta mais esse título

Junta mais esse título

Neste sábado começa mais uma Copa do Nordeste. Santa Cruz x Vitória da Conquista-BA, em Caruaru – com mando de campo coral. Tendo tudo para crescer ainda mais, tamanha a rivalidade dos times nordestinos e a participação de seus torcedores, a Copa do Nordeste deste ano dá direito a uma vaga na Copa Sul-Americana, além da premiação em dinheiro. Diferentemente dos últimos campeonatos, nós entramos para a competição como um dos atores principais da festa. Sem dúvida, existem clubes mais organizados financeiramente e times mais qualificados que o nosso, mas o passado recente e a manutenção da nossa base nos credencia a fazer uma boa participação e voltar a ser o “Terror do Nordeste”. A necessidade deste título pode ser facilmente justificada. Além de ser o ano do Centenário do Clube, nós temos pela frente mais um tabu a quebrar: o de ainda não ter sido campeão do Nordeste. A nossa sala de troféus, carinhosamente cuidada pelo ilustre Dirceu Paiva, já tem um espaço reservado para a futura taça, a primeira de 2014. Na verdade, pelo que pude observar, Dirceu separou uma estante inteira. Sinal de que virão muitas taças no ano do Centenário. Que a Taça de Campeão do Nordeste seja apenas primeira...

Leia Mais

A base e o troco no futebol

A base e o troco no futebol

  Nesta semana, o Santa Cruz finalizou a sua participação na Copa SP de juniores. Mais uma vez, como de costume, a participação teve o seu final melancólico e o Santinha foi eliminado ainda na primeira fase. A base do Santa Cruz é algo que não se explica. Lembro do ex-treinador Nereu Pinheiro, cujo maior mérito era o de revelar jovens talentos, falando que, dos três clubes de Pernambucano, somente em um deles, ele encontrava – sem precisar procurar – tantos meninos com futuro. Esse clube era o Santa Cruz. Talvez pela condição financeira e por ser um clube popular, o Santa sempre atrai a atenção dos meninos que buscam a primeira chance. Assim foram com vários jogadores, uns que vingaram e outros que caíram no esquecimento, mas nenhum com apoio suficiente para se tornar um ótimo jogador de futebol. Para participar da Copa SP de juniores, os meninos lançaram uma campanha pela internet. Muitos tricolores ajudaram e os mesmos conseguiram arrecadar os R$ 65 mil necessários para disputar essa Copa, tamanha era a vontade desses jovens de disputar a principal competição da categoria no ano. Foram e já estão voltando, sem aparentemente não ter despertado algum interesse. Fico imaginando se o departamento de futebol amador conseguisse esse dinheiro todo mês para as divisões de base, o investimento e – possível – retorno que teríamos. A base do Santa Cruz sempre foi nossa saída nos momentos de crise. A nossa história retrata, da forma mais emblemática, um momento desses ocorrido em 1969 e que tantas alegrias nos trouxe. Quem não se lembra de 1999 ? De 2011? Voltando aos dias atuais, o Santa Cruz acaba de anunciar o atacante Cassiano, que vem emprestado do Internacional-RS. O Internacional-RS é uma “empresa” de jogadores, deve ter mais de 70 jogadores profissionalizados à espera de oportunidades. E Cassiano é um deles. Dizem que joga bola, mas talvez não tenha dado sorte. Recentemente, jogou 15 partidas pelo Criciúma na série A e não fez 1 gol sequer – foi inacreditável futebol clube. Tomara que jogue bola e resolva, no Santinha, colocar as bolas para dentro do gol. Além de “empresa” de jogadores profissionalizados, o Internacional-RS também é uma “empresa de olheiros de jogadores amadores”. Foi assim que levou o meia Otávio, hoje titularíssimo ao lado de Alecsandro. Otávio chegou ao Internacional para compor o time de juvenil, logo se tornou titular e um...

Leia Mais

O Centenário longe de sua torcida?

O Centenário longe de sua torcida?

  Dia 03.02.2014, uma segunda-feira. É o dia de completarmos 100 anos de idade, um centenário de vitórias! Até lá, nada de jogo no Arruda. Tudo graças à justa punição que o Santa Cruz recebeu do STJD com a perda de quatro mandos de campo na Copa do Nordeste  devido à briga da Inferno Coral com a torcida organizada do CRB, pela sexta rodada da primeira fase do Nordestão do ano passado. Sobre a punição, o presidente Antônio Luiz Neto há 20 dias foi taxativo: “Não vamos recorrer dessa punição. Existem as alternativas do estádio do Central (Luiz Larcerda) ou de João Pessoa. Temos muitos torcedores tricolores em Caruaru e essa escolha também abraçaria os torcedores de cidades vizinhas como Bezerros, Vitória Taguaritinga, Toritama. Mas também temos torcidas organizadas em João Pessoa e a distância é praticamente a mesma. Uma terceira opção seria Garanhuns”. Na sua resposta, fica claro que considerou a punição foi justa ou então que não vale a pena recorrer da decisão. O fato é que um aliado não pode jogar a responsabilidade para outro aliado. No sábado, antevéspera do aniversário do centenário, enfrentaremos um adversário tradicionalíssimo do futebol nordestino e brasileiro que, junto com o Santa Cruz, disputa o posto de clube de maior torcida do Norte/Nordeste do País, o Esporte Clube Bahia, único clube do Nordeste Campeão Brasileiro. Seria um dia de casa cheia, de festa, naturalmente. Agora, some-se ao jogo o fato de comemorarmos antecipadamente o centenário coral. Seria um jogo para ouvirmos 50 mil vozes cantando parabéns! Mas, como eu, muitos outros torcedores e sócios do Santa Cruz não teremos essa oportunidade. Por baixo, uns 30 mil tricolores ficarão sem ver o Santa Cruz jogar. O presidente ALN e a TOIC (Inferno Coral) mantém um relação de grande amizade e cumplicidade. Desde a sua posse, ALN demonstrou claro que a TOIC é sua fiel torcida. O seu primeiro discurso não foi com a camisa do Santa Cruz, mas sim com a camisa da TOIC. É importante deixar claro que este fato não é exclusivo do atual presidente, mas persiste em praticamente todos os presidentes que ocuparam o cargo máximo no clube. É uma relação de troca, de favores, comum aos demais clubes do Brasil. “É a contribuição que a TOIC dá ao clube, cujo presidente Antônio Luiz Neto tanto defende e alimenta com ingressos e outros benesses. Num cálculo rápido, o Santa perderá, no mínimo,...

Leia Mais

Retrospectiva Coral 2013

Retrospectiva Coral 2013

  Pelo 5º ano consecutivo, publico no Torcedor Coral uma retrospectiva do ano. Desta feita, o ano da retrospectiva é muito especial. Sem dúvida, 2013 é classificado como um dos mais importantes na vida do Santa Cruz, que ficará marcado pelas conquistas e pela volta à disputa do campeonato brasileiro. Sim, finalmente, após seis longos anos saímos do ostracismo do futebol brasileiro (séries C e D) e voltaremos a disputar um “campeonato”. No entanto, nada foi fácil. Troca de treinadores, time oscilando em todas as competições, os bastidores da política do clube, o prenúncio de uma comemoração fraca do Centenário coral. Enfim, muitos percalços em um ano de vitórias. Porém, a verdade é que o ano termina, no futebol, em uma situação bem diferente daquela vivida no início do ano. Situação esta que nos permite sonhar com um 2014 de afirmação justamente no ano do Centenário do Clube – ano emblemático na vida do Santa Cruz Futebol Clube. Em 2013, Antônio Luiz Neto se inseriu no rol dos TOP-5 dos maiores presidentes da história do Santa Cruz. Em 2013, Tiago Cardoso se inseriu no rol dos TOP-3 dos maiores goleiros da história do Santa Cruz. O maravilhoso ano nos deixa sonhos que ainda não se tornaram realidade. Continuamos sonhando com a construção de um Centro de Treinamento (CT), que no papel já nasceu defasado com apenas 1 campo oficial; com a Arena Coral e com uma mudança na política de administrar o clube. Que em 2014 nossas esperanças sejam reforçadas, novos sonhos sejam realizados. Ano do Centenário, ano do Tetra campeonato pernambucano, ano de inserir o Santa Cruz em uma competição internacional, ano de voltar à série A. Que os nossos sonhos se tornem realidade. E sempre com a certeza de que nós continuaremos amando o nosso Santa Cruz Futebol Clube que, assim como a nossa esperança, nasceu para viver eternamente. Feliz 2014, Torcedor Coral, são os meus sinceros votos! Melhor de 2013: Retorno à série B do campeonato brasileiro após 6 longos anos em séries inferiores. Pior de 2013:: 1. Ter que aguentar Sandro Barbosa como treinador com o apoio da diretoria; 2. Tentativa que criar uma nova “casta” no Santa Cruz, onde um grupo de “notáveis” será responsável pela eleição do Presidente do Clube. Maior emoção (Futebol): Santa Cruz 2 x 1 Betim. Gol de Caça-Rato. Foi Épico! Maior tristeza (Futebol): Santa Cruz 1 x 2 Fortaleza....

Leia Mais
10 de 38...91011...2030...